30/08/2009

O Prêmio Eço...

... foi suspenso temporariamente. Talvez ele volte em 2011 ou -mais tardar - em 2012.

21/08/2009

Invasão moura? Não.

Recebi o vídeo O Crescimento do Islamismo por e-mail.
Os número soam muito estranhos mesmo para olhos não treinados, mas felizmente Tim Harford e cia fizeram o dever de casa. (Ouça o programa de rádio aqui).

Prêmio Eço -"Viva a Gripe A"

Essa eu nem preciso comentar:
"Gripe A ajuda a segurar inflação brasileira", diz analista
Medo de contrair o vírus fez com que os brasileiros reduzissem a demanda por passagens aéreas, fazendo o preço cair

InfoMoney
07 agosto 2009

SÃO PAULO - O aumento dos casos de gripe A (H1N1) no Brasil contribuiu para o resultado do IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) de julho (0,24%), que veio abaixo do registrado no mês anterior (0,36%). A afirmação é do analista da Rosenberg Consultores Associados, Francis Kinder.
"Com o agravamento da doença, a preocupação dos brasileiros em contrair o vírus aumentou e as pessoas ampliaram os cuidados para se prevenir do contágio. Entre eles, evitar viagens para países ou estados que apresentem casos da doença. Assim, a demanda por vôos (nacionais e internacionais) diminuiu, causando uma redução nos preços. Vale lembrar que julho normalmente é um mês muito aquecido para o setor aéreo, em razão do período de férias", explica."

Legal, como também as pessoas ficaram em casa coçando e não consumiram nada (nem álcool gel), eu aposto que a poupança também aumentou! Uhu!
(Agradeço ao meu amigo Acir Almeida pela dica!)

17/08/2009

Adeus ao Ubuntu

Depois de quase dois anos como feliz usuário do Linux Ubuntu, sou obrigado a voltar ao mundo do windows. O motivo? No IPEA, todos os micros rodam windows e não podemos instalar o ubunutu, nem o open office. Também não podemos conectar os próprios micros na rede.
(Para amenizar o drama, ao menos os desktop são ótimos lenovo que foram downgraded para vista)

14/08/2009

Jogos

Lá na pré-Cambriano, por volta de 1993, uma das primeiras versões do SimCity paralisou as dissertações dos mestrandos de Economia da UFRGS por um mês. Imaginem o que teria acontecido se uma maravilha dessas tivesse sido instalada na salinha dos computadores?

10/08/2009

Lei de Say na Índia

Ou "A oferta criando a sua própria demanda em Dehli". Ou "O engraxate esquichador de me*da". Você escolhe o título desse causo do correspondente da BBC ( texto e áudio).

(Aproveite e ouça o Justin Webb, o correspondente nos EUA, sobre os seus 7 anos no país. Muito bom mesmo).

08/08/2009

"Modeling social heterogeneity, neighborhoods and local influences on urban real estate prices:

...spatial dynamic analyses in the Belo Horizonte metropolitan area". Esse é o título do livro e da tese que o Bernardo Furtado acabou de defender em Utrecht. Ele também entrou no último concurso do IPEA e estamos na mesma diretoria. Ele botou para quebrar: aplicou econometria espacial com regressão quantílica (isso aí, tudo junto!!!), autômatos celulares e tudo mais. Muito bacana mesmo. O livro está disponível para download gratuito aqui (8,6 MB).

Cobogó

Colegas de trabalho arquitetos + viver em Brasília = aumento do meu vocabulário. Aprendi nesta semana o que é Cobogó. É talvez a palavra com origem mais inesperada que eu já esbarrei.

05/08/2009

Meu livro de férias: Salsa Dancing into the Social Sciences

Influenciado pela recomendação do Tyler Cowen, eu comprei por impulso Salsa Dancing into the Social Sciences: Research in an Age of Info-glut na Amazon. Vi que o livro não tinha nenhuma tabela, gráfico,ou equação e, ainda por cima, a autora citava Foucault com alguma freqüência. Que desgosto. Mas eu o levei na mochila mesmo assim. Gostei muito. Muito mesmo.
O livro é um guia para pesquisadores em Ciências Sociais e é muito bem escrito e humorado. O argumento central da Kristin Luker: as pesquisa quantitativa tradicional (“canonical social science”) analisa as relações entre variáveis e sua distribuição. O problema é que, muitas vezes, não se sabe quais são as variáveis relevantes. A solução estaria nas pesquisas qualitativas rigorosas, sérias e que contribuam com a teoria sociológica.
O bacana é que a autora não cai na briga juvenil entre pesquisa qualitativa versus quantitativa. Duas amostras do bom humor da autora:
Qual a diferença entre Sociologia e Jornalismo? A Sociologia é mais lenta. (Leo: na verdade, ela se refere à má Sociologia)
"I sometimes think that every social science finding based on a quasi-experiment design (...) is really a selection effect waiting to be unmasked." p.58.
Compre o livro sem medo. Se você for curte pesquisa quantitativa, vai perder um tanto dos seus preconceitos; se você já faz trabalhos qualitativos, vai melhorar a qualidade da sua pesquisa. E se você não faz nada disso, vai gostar mesmo assim.
Por fim, a Salsa Dancing é isso mesmo. Ela sugere a prática de salsa, kickboxing, corrida ou qualquer atividade física suarenta para os pesquisadores.

Enquanto isso em Utrecht...

Está rolando o World Economic History Congress. O Fábio Pesavento manda o seguinte relato entusiasmado:
"Escrevo este post da sala onde dentro instantes Gregory Clark (UCLA) vai apresentar seu paper (biologia e história econômica)[Nota do Leo: Ih... vai apanhar como cão danado]. Mas este post é sobre um assunto paralelo: Thomas Kang e Ricardo Paixão. Se existe cliometria no Brasil ela está muito bem representada aqui em Utrecht. Primeiro pelos trabalhos apresentados pelos dois, segundo pela desenvoltura apresentada no congresso em diversas questões (desde o tradicional bate-papo no coffe-break, até uma pergunta muito bacana numa sala lotada de lendas como Angus Maddison, EU APERTEI A MÃO DELE ehehe). O inglês, neste caso, é fundamental. Mas isto é inútil se não termos idéia do debate e da teoria básica. Novamente a desenvoltura dos dois chama atenção de gente como Jeffrey Williamson. Parece que a cliometria brasileira terá continuidade (se é que existiu) e seus mais novos representantes são Kang e Paixão. Quanto a mim, bom Utrecht está sendo um sonho para eu que lia Marx até pouco tempo..."


O próprio Thomas Kang - cujo blog eu preciso citar com mais freqüência - manda o seu ótimo relato no post: "O dia em que fiz Acemoglu gargalhar". (Valeu pela referência, Thomas!)

Pois é, pessoal, aproveitem o evento e continuem mandando as novidades!

01/08/2009

Quando você reclamar da espera no aeroporto, lembre-se que....

Em 1850:
- O custo de atravessar os EUA era de uns US$200 (uns US$ 5000 aos preços de hoje), o equivalente a metade da renda anual de um trabalhador sem qualificação e demorava de 4 a 6 meses. (Por outro lado, o bilhete da Suécia para os EUA só custava entre 17 e 25$ (uns US$500 de hoje)e demorava menos de 2 meses.)
Fonte: Clay, Karen e Jones, Randall Jones. Migration to Riches from the California Gold Rush. The Journal of Economic History, v.68, n.4, Dec 2008, p. 997-1027