Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Outubro, 2009

Verdades em gráficos

Uma amostra:

Muito mais aqui.

Mainstream Plurocracy

Eu não tenho saco para a discussão heterodoxia versus ortodoxia. Tanta coisa bacana para fazer e aprender que não dá para perder tempo com isso. Talvez por isso, eu gostei do termo "mainstream plurodoxy" que esbarrei no artigo do Colander (via Shikida):
By plurodoxy, I mean a mainstream that has no orthodoxy, neoclassical or other. It is a mainstream composed of many different competing beliefs and research programs...
Today, the problem facing all heterodox groups, Austrians included, is that much of what they were fighting against no longer exists, if it ever did exist. Any orthodoxy that may have existed back in the 1970s has been replaced by a mainstream plurocracy.
Pensando bem, o conceito é uma continuação do clássico texto "The Death of Neoclassical Economics", em que o Colander argumenta que o termo Neoclássico perdeu o sentido.

Meu único post sobre aquecimento global

Eu não entendo bulhufas sobre aquecimento global, mas tenho um único pitaco.* Lá vai: a discussão se o fenômeno é causado pelo homem é irrelevante para a decisão sobre o que fazer (ou não fazer). Pouco importa se foi a Terra que aprontou isso com a gente, ou o contrário. Afinal, os danos das mudanças climáticas são indiferentes à origem do fenômeno, ora bolas. Os custos da adaptação também não perguntam quem é o culpado. Enfim, não há nada de sagrado na temperatura do planeta. (Imagine se a Terra entrasse em uma trajetória de esfriamento. Nesse caso, aqueles que hoje defendem a redução das emissões de gases relacionados ao efeito estufa, deveriam defender um aumento das emissões de CO2, não?) *Os dois caras que eu conheço que mais entendem de aquecimento global são o meu ex-aluno Martin Brauch e o neo-amigo Gustavo Luedeman.

Location, Location, Location

Mesmo que o seu negócio seja a bolsa de valores:
If traders are located 100 miles away from an exchange, they face a delay of one millisecond whenever they seek to trade a price via their computer screen. Few serious investors can afford to be that late to prices that flash so quickly. The blink of a human eye takes 300 milliseconds; many traders now operate in the smaller realm of microseconds.
Mr Greifeld said there might have to be measures to ensure speeds within the co-location facilities were the same. “We might have to give everybody the same length cable, believe it or not,” he said.

(via marginal revolution)
A propósito, as mais rápidas bolsas do mundo usam linux.

G. R Elton The practice of History

Trazendo os livros para Brasília acabei relendo essa obra-prima. O livro é sobre teoria da História e o ofício de pesquisador. Geoffrey Elton escreve tão bem que é quase poesia (com a vantagem que dá para entender o que o autor diz). Vejam a abertura do livro:
"The future is dark, the present burdensome; only the past, dead and finished, bears contemplation. Those who look upon it have survived it: they are its product and its victors. No wonder, therefore, that men concern themselves with history. "

Nobel para Ostrom e Williamson

Mais do que merecido! O Williamson durante muito tempo foi o autor mais citado entre os cientistas sociais e Governing the Commons da Elinor Ostrom é um baita livro.
Um tantinho de deslumbre: muitas luas atrás, no evento do Ronald Coase Institute no RJ, eu jantei por acaso na mesma mesa em que a senhora Ostrom estava. Ela tem jeitão de antropóloga e foi muito simpática. (Acho que conversamos sobre capital social, mas não me lembro direito do papo. Shikida, você também estava no jantar ou teve que sair?).

Filosofia do Direito e a Teoria do Superstar

As aulas do Michael Sandel sobre em Harvard são muito bacanas mesmo. São um programa de tv melhor do que qualquer outro show (exceto um ou outro).
Eu me lembrei, contudo, da teoria econômica do superstar (Rosen, 1981). O que será dos professores não-estrelas quando as aulas dos MichaelSandel´s de outras áreas estiver disponível on-line? O ganho de bem-estar para os alunos é óbvio: eles terão aulas com os melhores professores do mundo. Mas o que acontecerá com os demais professores? Enfim, acho que fiz bem em largar a vida docente...