30/04/2012

Cuba em 1959

A renda per capita era quase o dobro da observada na América Latina, os médicos por mil habitantes e a mortalidade infantil eram comparáveis com os números da Europa Ocidental. Tudo isso antes da revolução.
A fonte é The Road Not Taken: Pre-revolutionary Cuban Living Standards in Comparative Perspective (versão preliminar aqui), no mais recente número do Journal of Economic History.*
Os autores toparam o desafio, muito barra pesada, de estimar o PIB de Cuba na primeira metade do século XX. Em 1925, o país tinha uma renda per capita de  80% da Europa e, em 1955, era comparável com  Argentina, Uruguai e Itália. Atualmente, os autores estimam que o consumo em Cuba é 72% do que era em 1955! 
Enfim, Castro pegou um país que - mesmo após décadas de baixo crescimento- ficava relativamente bem na foto e criou uma catástrofe econômica. 
Um nota: o fato de, mesmo com uma economia disfuncional, Cuba conseguir ótimos indicadores de saúde tem um significado importante. Mostra a incompetência total do restante das Américas em prover o mínimo de saúde pública.
(Meus outros post sobre Cuba estão aqui )

* Aproveite que você está com esse volume do  JEH e veja que tem uma resenha bem positiva de Living Standards in Latin America, o livro com um artigo do Nogueról, Shikida e deste que vos tecla.

Alturas dos gaúchos e brasileiros no século (1889-1984)

Têm umas esquisitices nos dados e não perguntem os detalhes sórdidos. Com sorte, de qualquer modo, eu consigo uma divulgação no O Bairrista.
(Sim, Shikida, vamos voltar à pesquisa para o Brasil todo! Eu sei que estou devendo isso!)

Voltei!

10/04/2012

Contra o mercado

O filho do Bruno Cruz, co-editor e mentor do Manual de Regional e Urbana, perguntou ao pai quanto custava o livro. Ao saber que era gratuito, respondeu: "Ih, pai, sei não. De graça, não pode ser boa coisa."
Agora descobrirmos que o livro é encontrado por R$40 no sebo on-line estante virtual. Por favor, não comprem lá. Façam o download do pdf ou peçam que - se possível - o Ipea envia o exemplar impresso para a biblioteca da sua universidade.
(Sim, eu sei que o mercado faria uma melhor distribuição do livro, mas sabecomoé....)

09/04/2012

Coase aos 101 anos

Eu comemorei no blog os seus 100 anos. Agora, uma ano mais velho, ele lança um livro sobre a China. Sensacional. (Aqui para um artigo no WSJ ).
Só para lembrar, o Nature of the Firm (1937), talvez o melhor paper que já li na vida, tem mais de 23.000 citações no Google Acadêmico, contra umas 3,5 mil do Methodology of Positive Economics do Friedman. E pensar que em 1932 -  80 anos atrás e com 22 anos!!! - ele já tinha o artigo na cabeça.

03/04/2012

Um site que eu queria que existisse...

Tenho lido tanta bobagem ultimamente que eu gostaria que houvesse no Brasil algo como o serviço que o Tim Harford faz no programa More or Less. Ele pega uma afirmação picareta e derruba com uns dois ou três golpes de bom senso e uma olhada na evidência empírica.
O meu site dos sonhos seria assim: alguém colocaria um link para um possível bobagem. Existem muitas. Acreditem. Outros procrastinadores checariam a validade. Teria que ter um mecanismo como reddit ou coisa parecida. O chato é que eu tenho mais de 28 anos e, portanto, não sei como fazer isso.

02/04/2012

Uma ajuda com referência....

Por favor, alguém aí fora lembra de um paper em que o autor faz o histograma dos p-values dos papers de Economia e encontra uns picos estranhos logo antes do 5% e 1%? Eu quero recomendar para o Carlos Cinelli (orientando do B Mueller) e não tenho a referência.  Talvez eu tenha sonhado.
A dissertação do Carlos replica  Ziliak e McCloskey para a produção acadêmica brazuca. A propósito, o Carlos é o autor do ótimo blog Análise Real.

Marcelo de Paiva Abreu sobre a conjuntura econômica

O grande historiador econômico e Armando Castelar discutem o novo -quero dizer- velho  protecionismo (video). Destaque para o final (21:00): o exército prussiano e as medidas recentes do governo.