22/03/2017

Por que Tony Ramos faz propaganda de carne?

Tony Ramos nunca teve reputação de gourmet ou mesmo de churrasqueiro. Por que contratá-lo?
Vamos lá.  Os consumidores enfrentam um desafio: saber a qualidade dos produtos. Em vários casos isso não chega a ser muito complicado. Na compra de uma maçã, por exemplo,  ele examina o produto e estima a qualidade antes de comprar.
Outras vezes não é tão fácil. Pode ser que o consumidor só conheça a qualidade depois de consumir o produto (filmes, livros e a maior parte dos bens culturais), ou porque há problemas técnicos na identificação da qualidade (pense em um remédio). Nesses casos, a sociedade desenvolveu seus próprios mecanismos: críticos especializados que dizem se um livro ou restaurante carro são bons, Yelp, ou mesmo órgãos de certificação privada ou pública.
A propaganda é outro mecanismo de sinalizar qualidade. A lógica é a seguinte: a empresa gasta uma fortuna em propaganda- e geralmente alardeia o quanto gastou-  para mostrar ao consumidor: "Ei, olha só, gastei R$25 milhões para o Rei Roberto fazer propaganda da minha marca. Isso mostra que eu estou  comprometido com a minha marca. Se o produto for ruim, eu não terei como recuperar essa grana. "
Quem genialmente sacou esse mecanismo foi o P Nelson em um artigo que já completou 4 décadas:
NELSON, Phillip. Advertising as information. Journal of political economy, v. 82, n. 4, p. 729-754, 1974.
O mecanismo é perfeito? Não. A realidade recente mostrou que nem a certificação governamental, nem contratar artistas por milhões garante 100% de qualidade. Mas quem vai contratar o Tony Ramos para uma propaganda de agora em diante? Antecipando os riscos a suas imagens, os artistas serão mais cautelosos (e/ou) cobrarão mais. Será que vai surgir uma certificação privada para as carnes nacionais?
Enfim, informação assimétrica sempre existirá e não há um mecanismo só capaz de cobrir todas as situações.

10/03/2017

Diversos