Pular para o conteúdo principal

Prêmio Epainos 2007

O Epainos vai para o melhor trabalho de um jovem pesquisador na ERSA. Ontem, Roberto Picchizzolu, um doutorando na LSE, dividiu o prêmio com Piyapong Jiwattanakulpaisarn. O paper do Roberto é excelente e a discussão, conduzida pelo Philip McCann, foi sensacional. Eu fui sortudo de presenciar tudo e acho que foi a melhor sessão de todo evento.
O abstract é o seguinte:
Entrepreneurial Risk and the Geographical Concentration of Industries: Evidence from the UK Manufacturing Sector.This paper provides an analysis of the effects that conditions of imperfect information and irreversibility of investment exert on location decisions, and subsequently produce some empirical evidence in support of those theoretical results, by looking into the concentration of manufacturing industries in the UK. We analyse the location decision of a firm that has to undertake a non-recoverable investment in order to enter a new market. Localities are characterised by their level of efficiency. The potential entrant faces two types of uncertainty: 1) industry profits are aleatory and 2) the characteristics of the single localities are unknown. Due to the existence of sunk costs and uncertainty over future profits the potential entrant faces the risk of producing losses from the venture (entrepreneurial risk). Our main hypothesis is that agents will use the location of existing plants in the industry to infer information on the characteristics of the single localities: the existence of an industry in a locality signals “good” local endowments. As a consequence, the expected level of profits conditional on the locality being “active” will be higher than the unconditional. This difference is bigger the higher the variability of industry profits. Our main prediction is that high-risk industries will be more concentrated geographically, ceteris paribus. We test this hypothesis on the geographical distribution of manufacturing activity in the UK. We do so by running a series of linear regressions of NACE Rev.1 4-digit industries’ Ellison and Glaeser’s gammas on a measure of entrepreneurial risk, after controlling for transport costs, natural resource intensity and Marshallian economies of agglomeration. Our results confirm a significant positive effect of entrepreneurial risk on geographical concentration. As additional contributions, a new proxy for vertical linkages is introduced, which performs consistently better than the alternatives used in previous empirical studies, and a discussion on how to proxy for transport costs in studies of the geographical concentration of industries are carried out.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…