Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Abril, 2011

E a Bolívia inventa o ônibus sobre trilhos...

também chamado de "trem".

A foto foi tirada pelo meu amigo Cleandro Krause, que fez a viagem entre Sucre e Potosi nessa máquina.

IX ENABER - Natal/RN 19 a 21 de outubro de 2011

Todo mundo lá!
"A ABER e o Programa de Pós-Graduação em Economia da UFRN têm o prazer de convidá-los a participar do IX Encontro Nacional da Associação Brasileira de Estudoshttp://www.blogger.com/img/blank.gif Regionais e Urbanos - IX ENABER.

O IX ENABER ocorrerá em Natal – Rio Grande do Norte, no período de 19 a 21 de outubro de 2011. Seguindo o modelo do VIII ENABER, o Congresso de 2011 também fará a análise de trabalhos completos. Nesse ano o Congresso contará com 16 áreas temáticas. A comissão científica é formada por pesquisadores de diversos centros no Brasil. Além disso, todos os inscritos no Congresso deste ano estarão automaticamente associados à ABER.

O evento será realizado no Praia Mar Hotel (http://praiamarnatal.com.br). A ABER firmou convênio com o Hotel e ele estará oferecendo tarifas especiais para o encontro. No momento de fazer sua reserva deve-se informar que é Congressista para obter a tarifa especial do Congresso.

Gostaríamos de lembrar algumas datas importantes …

2ª Escuela de Verano (Hemisferio Sur) de Historia Económica (EVHE-II) 2011

Se eu fosse aluno, daria um dedo para ir:
"2ª Escuela de Verano (Hemisferio Sur) de Historia Económica (EVHE-II) 2011

El Programa de Maestría y Doctorado en Historia Económica
(Programa de Historia Económica y Social, Facultad de Ciencias Sociales, Universidad de la República)

con el auspicio de:

Asociación Uruguaya de Historia Económica (AUDHE) y
el Proyecto “Historical Patterns of Development and Underdevelopment”
(Centre for Economic Policy Research –CEPR-, Londres)

CONVOCA a la

2ª ESCUELA DE VERANO (HEMISFERIO SUR)
DE HISTORIA ECONÓMICA

Montevideo, 28 de noviembre al 2 de diciembre de 2011.

La Escuela de Verano se organiza en coordinación con las 5as Jornadas Uruguayas de Historia Económica a celebrarse en Montevideo del 23 al 25 de noviembre de 2011.

Destinatarios de la convocatoria:

La EVHE-II reunirá a un grupo de 15 estudiantes de programas de posgrado de historia económica que estén trabajando sobre América Latina, provenientes del exterior, y a un grupo de 10 estudiantes de los pos…

Teorema da Refutação Acadêmica

Depois do outro Teorema de Arrow ("Todo resultado será publicado 5 vezes"), proponho outro:
"Todo resultado bacana em Economia será refutado. E contra-refutado."Exemplo recente:
Hither Thou Shalt Come, But No Further: Reply to "The Colonial Origins of Comparative Development: An Empirical Investigation: Comment"
by Daron Acemoglu, Simon Johnson, James A. Robinson

Outros casos: hepatite e razão de sexo (pela própria autora!), qwerty e dependência de trajetória, armas versus crime e aquele-texto-que-rejeita-os-resultados-do-danny-quah-e-ninguém-lembra-o-nome.

Não mostre para as crianças

A necropsia mostra a origem dos ovos de Páscoa.

Feliz Páscoa (com atraso).

Macro - dois textos de amigos

"The current account and precautionary savings for exporters of exhaustible resources" por Irineu e Rudolfs Bems;Carga tributária reduz crescimento do País - matéria do Estadão baseada em pesquisa do Adolfo. Atualização: O texto mais longo - ainda preliminar - está aqui. (Aimeudeus! O nassif criticou o Adolfo... Fica demonstrado, através da aplicação do Axioma de Nassif*, que o resultado do Adolfo está certo).* O Axioma de Nassif diz: "A posição correta sobre qualquer assunto é a diametralmente oposta àquela sustentada pelo Luis Nassif."

Econometrics Beat: Dave Giles' Blog

Um ótimo blog voltado para alunos de econometria que queiram aprender as manhas e as armadilhas do ofício.
Um exemplo da sua sabedoria:

"1. Graph, graph, graph!
(Graphique il, graphique il, graphique il!)

2. Don't speed - only use stationary data.
(Kör inte så fort - endast använda stationära data.)

3. Multicollinearity is highly over-rated.
(Multikolineæritet er svært over-vurdert.)

4. Please adjust your R2.
(Lūdzu mainīt koeficientu o determintion.)

5. There's no theorem like Bayes' Theorem.
(A universal truism - requires no stranslation.)

6. Plot it or lose it.
(Plot neu ei golli.)

7. Use baking soda to clean your residuals.
(Nota lyftiduft til að hreinsa leifa þínu.)

8. Identification is a state of mind.
(Kitambulisho ni hali ya akili.)

9. Don't forecast anything you don't understand.
(不要預測什麼你不明白。)

10. Instruments are like coffee - they should be strong, not weak.
(Τα όργανα όπως ο καφές - θα πρέπει να είναι ισχυρή, δεν αδύναμη.)

11. Suppor…

Quando começam o papo sobre tarifas de importação e de exportação...

...é hora de lembrar de uma das aulas de Economia Internacional: o Teorema da Simetria de Lerner. O velho teorema diz que uma tarifa de exportação é equivalente a uma tarifa de importação. Ou seja, se colocarem uma tarifa sobre o minério exportado, as importações ficarão também mais caras (em R$).
Uma explicação legal está aqui com direito à graficos bem representativos.
A propósito, acabei de esbarrar no blog Faint of Heart e achei ótimo. Vai para o blogroll!

A superfície de consumo

Isso é uma fotografia de um modelo que o grande Irving Fisher usava nas suas aulas. Bonito pacas.

Eu prometo que nunca mais vou reclamar por não conseguir acertar as cores em um gráfico no R.
Fonte: Frisch, R. 1932. New methods of measuring marginal utility. Tubingen: J. C. B. Mohr. p. 16.

Por que os brasileiros emigram tão pouco? (resposta aos comentários)

O pau comeu lá no Marginal Revolution: mais de 100 comentários. Vale a pena ler não só para ter as explicações possíveis, mas também saber as visões dos gringos sobre nós, cucarachas.
Eu vou responder só aos meus 3 nobres comentaristas:
Adam Victor Nazareth Brandizzi disse...
Meu primeiro chute seria que viver no Brasil não seria tão ruim assim. De fato, até recebemos um bom número de imigrantes. Mesmo dados todos os problemas brasileiros, não há tanto incentivo para a emigração. Este é um chute meio bobo, diria, eu não saberia como quantificar os aspectos relevantes para o tema etc. etc.

Uma hipótese mais plausível/verificável é que o custo da emigração seria muito alto no Brasil. Há vários problemas logísticos que dificultam a emigração - especialmente a ilegal. Quem teria condições de emigrar já teria condições melhores - e não precisaria partir.

Também cogito que haja bastante oportunidade de migração dentro do próprio Brasil. Por que alguém migraria para os EUA se pode migrar para o D…

Prêmio Eço - versão mapa

O prêmio está suspenso até 2012 (como sabem os meus 13434232 leitores), mas eu tenho que registrar a sugestão do Alex.

Infelizmente, uma notícia recente me diz que teremos muitas potenciais entradas nos próximos meses...

Agora, para ler um texto super bom sobre a economia brasileira, veja o trabalho de Luiz de Melo BRAZIL’S ACHIEVEMENTS AND CHALLENGES (via José Roberto Afonso).

Por que os brasileiros emigram tão pouco?

Quem me perguntou foi o Tyler Cowen. Antes de tudo, eu não achava que isso era verdade. Supondo que seja, quais seriam as explicações?
- A língua;
- A baixa escolaridade dos potenciais emigrantes;
- A economia fechada. A evidência seria Governador Valadares, que só virou o pólo de emigração devido aos campeonatos de asa delta. (ao menos é o que reza a lenda).
E então? Alguma outra resposta?

Diversos

Posts essenciais dos últimos dias:
"Valeu a pena privatizar a Vale?", Vinícius Carrasco (eu conheço esse nome de algum lugar...) e João Manoel (não.... não é aquele! ) fazem as contas;No mesmo blog, o Marcos Mendes pergunta: "Vale a pena construir o trem-bala?" Adivinhem a resposta?;Um post no Mão Visível deveria ser lido em voz alta em todas as aulas de Introdução à Economia e por qualquer envolvido no debate econômico. (Eu lembro de um texto do Krugman, em que - para desmontar a falácia do valor adiconado - ele mostra que o setor de maior valor adicionado nos eua era o de batatas fritas. Seria então o caso de um pró-Ruffles, a batata da onda?).

Livro novo do Fogel!

Festa. The Changing Body: Health, Nutrition, and Human Development in the Western World since 1700 ) (em coautoria com Nathaniel Grotte) ainda não está disponível para venda. Uma visão geral da obra saiu no NBER. Pelo visto, está muito parecido com o ótimo livro anterior, mas só vendo mesmo.
A propósito, eu vou retomar a pesquisa antropométrica neste ano! Nem que seja nos finais-de-semana.

"Capitalismo de Laços" por S. Lazzarini

Sergio Lazzarini tem formação em Administração, mas economistas e seres humanos em geral deveriam ler correndo os seus trabalhos. Ele tem um texto como o historiador econômico de Aldo Musacchio que saiu como working paper na Harvard Business School cujo resultado é até generosa na avaliação do BNDES como acionista minoritário (até 2003!).
Contudo, o que me impressionou bastante foi "Capitalismo de Laços". Ele vai fundo nas ligações recentes entre BNDES e fundos de pensão das estatais com as grandes empresas privadas nacionais. Ele usa aquelas coisas de social network analysis e tem um banco de dados colossal. O livro é tão bom, mas tão bom mesmo que - o google me contou- o Paulo Henrique Amorim odiou .
Comprei no final-de-semana e ainda não terminei. Depois eu comento mais.

Brasil@Home - Como transformar seu estagiário em 1000 voluntários na internet

Você possui uma tonelada de páginas de documentos históricos scanneados e não tem tempo (ou estagiários) para digitar? Ou você tem tempo (e computador) livre para ajudar o progresso da Ciência? Se você tem um problema de pesquisa que exige força bruta (física ou computacional), a solução pode estar aqui.
Meu colega de IPEA, Lucas Mation, bamba em microeconometria, é um dos representantes no Brasil do movimento de Citizen Cyberscience. No começo de Maio acontecerão mega eventos sobre o assunto em Brasília(IPEA), Rio (CBPF) e São Paulo (UNESP).
Por favor, divulguem em seus blogs, twitters e facebooks...

rgeos - um ótimo novo pacote para o R

O pacote faz milagres: um monte de operações com shapefiles que exigiam o ArcView (ou similar) podem ser feitos com o seu auxílio. Eu precisava identificar os polígonos na borda externa de um mapa e isso foi feito com duas linhas de programação. Ele é tão novo que não está nos repositórios usuais e - devo admitir - parece que ainda tem uns bugs.
(Agradeço a dica ao Paulo Justiniano Jr., uma referência mundial em R e geoestatística).

"When Fast Growing Economies Slow Down: International Evidence and Implications for China" Eichengreen, Park, Shin

Brasília para turistas

Brasília não é tão ruim quanto parece. Eu acho que esse deveria ser o lema da cidade. A vida nas quadras é bem melhor do que imagina quem só conhece o setor hoteleiro e as atrações no eixo monumental. Vivo aqui faz dois anos e sou bem feliz. Uma caminhada pelas Superquadras (sugiro a SQS 308 e redondezas) ao cair da tarde mostra como é a vida de quem mora no Plano Piloto.
A cidade é muito cara, mesmo quando comparada ao Rio e São Paulo. Eu acho que só noruegueses são capazes de achar os preços locais acessíveis. Mesmo assim, dá para se divertir e passear.
Seguem minhas dicas gastronômicas:
Cozinha étnica: apesar das embaixadas, a população é bastante homogênea e, portanto, é complicado encontrar restaurantes étnicos bons. Um restaurante chinês bem próximo a um de seu país de origem é o Palace Long Fu na Academia de Tênis. Aceitável. Servus é um ótimo restaurante austríaco. O restaurante é bem escondido, fica a uns 40 minutos do centro e só abre nos finais de semana. (Reservar é essencia…