01/02/16

Hipóteses testáveis sobre primeiros nomes no Brasil

  1. Uma classe copia - com alguma defasagem - os nomes da classe superior. Se for assim, hoje, os mesmos nomes de - sei lá - médicos com 50 anos devem ser observados nas ocupações imediatamente inferiores aos 25 anos;
  2. Esse ciclo de nomes serão mais intensos nas classes intermediárias. Muito pobres ou muito ricos nem tem razão para emularem as outras classes. Os muito ricos mesmo não estão nem aí (porque não precisam) e nem os miseráveis (tem mais coisas com o que se preocupar. Ver ponto #3);
  3. A queda da mortalidade infantil levou à queda na frequência de nomes religiosos. O risco de morte do bebê é menor, as mães não precisam orar ou fazer promessas  e, portanto, a gama de nomes se amplia. Se isso for verdade, os lugares com quedas mais intensas da mortalidade infantil observarão maiores reduções na frequência de nomes religiosos.
Alguma outra hipótese ? 

30/01/16

Nomes mais populares por ano, UF de residência e sexo

Mulheres e homens. Divirtam-se
Notas: como a fonte é a RAIS (uns 50 milhões de pessoas), os muito pobres ou muito ricos mesmo ficam de fora da análise. Também só considerei os com ano de nascimento entre 1954 e 1992.

28/01/16

Jéssicas e Lucas: os nomes mais frequentes no Brasil

Aí vão os nomes mais comuns no Brasil por ano de nascimento.
year first_word_name
1995 LUCAS
1994 LUCAS
1993 JESSICA
1992 JESSICA
1991 JESSICA
1990 JOSE
1989 JOSE
1988 JOSE
1987 JOSE
1986 JOSE
1985 JOSE
1984 JOSE
1983 JOSE
1982 JOSE
1981 JOSE
1980 JOSE
1979 MARIA
1978 JOSE
1977 JOSE
1976 JOSE
1975 JOSE
1974 JOSE
1973 MARIA
1972 MARIA
1971 MARIA
1970 MARIA
1969 MARIA
1968 MARIA
1967 MARIA
1966 MARIA
1965 MARIA
1964 MARIA
1963 MARIA
1962 MARIA


Fiz apenas por curiosidade e para praticar o uso do dplyr. A fonte dos nomes é a RAIS.

Você já sabia que era lúgubre!

Está na porta do grande Prof William Allen (o do paradoxo das maçãs).

27/01/16

Leff e a corrupção

Agora todo mundo já sabe que o Leff deu sacadas ótimas sobre a história econômica brasileira. Contudo, há outra contribuição sua que precisa ser lembrada: sua análise da corrupção.
O texto Economic Development Through Bureaucratic Corruption (1964) já foi muito mal entendido, como se fosse uma defesa da complacência com a corrupção. Nada disso.
A grande lição está no final do artigo ("Two techniques"). Funcionários públicos honestos e capazes são um  recurso muito escasso nos países pobres. Logo, devem alocados com cuidado e poupados:
1- Os honestos devem estar nas áreas-chave para o desenvolvimento;
2- Evite regulamentar e intervir no que não precisa. Assim, você não precisará "gastar" funcionários bons em atividades em que o mercado poderia resolver. Exemplo: ao invés de ter os honestos trabalhando com licenças para importação, acabe logo com essa papelada.

18/01/16

Por que a TV ficou melhor e os jornais pioraram?

Memórias infantis a parte, os programas de TV dos anos 80 era uma porcaria e todo mundo assistia. Já os grandes jornais eram bem mais respeitados e com conteúdo melhor do que os hoje.
Alex Tabarrok já explicou o caso da TV: na época da TV aberta, paga pelo anunciantes, o objetivo era ter o maior público. Para isso, o conteúdo produzido era voltado para agradar a todos e, portanto, não agradava especialmente ninguém (exceto, talvez, a sua avó quando assistia ao programa do Sílvio). Com a TV paga, abre-se mão de audiência em favor da receita dos assinantes. A audiência é menor, mais segmentada, mas o lucro pode até ser maior do que no passado.
Já a internet tornou os grandes jornais mais parecidos com a televisão do passado. Maximizar cliques é o novo ibope. E o negócio volta-se para  satisfazer o leitor médio, de baixa qualidade. E tome notícia bizarra, fofoca e colunista viral "textão do facebook". Além disso, a própria internet oferece aos leitores mais qualificados (eg. você, caro procrastinador) outras fontes de informação de melhor qualidade produzida mundo afora. Cada vez que eles fogem dos jornalões, a qualidade dos seus leitores médios cai mais e mais.
Outras hipóteses?

08/01/16

Diamonds are Forever: Long-Run Effects of Mining Institutions in Brazil por Marcelo S. Carvalho

This paper uses a regression discontinuity approach to investigate whether a set of colonial policies adopted in the Diamond District of colonial Brazil have long-run impacts on development. Results regarding household income are still inconclusive. On the other hand, the estimated effects on adult literacy and light density from satellite images are positive. I also try to explore potential channels through which this historical event might influence the present. Using a geospatial road location database, I find that observations inside the District’s historical boundaries have denser road networks. Additionally I use microdata from the 1830s to show that slavery was more intense in untreated villages, which has been related in the literature to underdevelopment.
Super legal. Ótimo ver a novíssima geração - o google me diz que o autor é mestrando na USP- fazendo pesquisa em história econômica do jeito contemporâneo (com direito a GIS, imagem de satélite e os escambau).
HT Shikida e William Summerhill.

Diversos


Antes de fechar as 36 abas do Chrome que tenho procrastinado a leitura, aí vão alguns links:

06/01/16

Matéria sobre o Nathaniel Leff na Piauí

Todo mundo já comentou e a reportagem é sensacional mesmo (link para assinantes). O autor,  Rafael Cariello, sintetizou muito bem as polêmicas sobre os temas da história econômica brasileira e também da questão pessoal sobre o Leff.
Eu sou "leffeiro" de raiz, hipster, faz mais de uma década. O Google Scholar mostra que das 20 citações do livro "Subdesenvolvimento e Desenvolvimento no Brasil", eu fiz 10 (tem texto repetido aí, seu Sergey Brin!). A contribuição do Leff que mais me impactou - e que não consta da reportagem  - foi:
Leff, N. H.. (1972). Economic Development and Regional Inequality: Origins of the Brazilian Case. The Quarterly Journal of Economics, 86(2), 243–262.
No artigo, ele explica que a origem da desigualdade regional brasileira deriva do Brasil não ser uma área monetária ótima no séc XIX. A lógica: boom do café valorizou o câmbio e -como os fatores não eram totalmente móveis- isso prejudicou as exportações de açúcar e algodão do Nordeste. Ele antecipou, assim, as teses sobre Dutch Disease.
(Só lamentei não ter sido citado na reportagem. Conversei uma boa meia-hora com o super simpático e competente Rafael, mas nada do que eu disse ficou na versão final. Deixa para lá. O importante mesmo é que a matéria ficou muito boa.)

28/12/15

Primeiro com tragédia, depois... vocês sabem

No governo Goulart, o ortodoxo Santiago Dantas - sempre alvo das críticas da esquerda do próprio PTB- caiu tão logo os custos do ajuste fiscal se mostraram. Ele foi sucedido por Carvalho Pinto, um político conservador, com apoio do empresariado, mas que, ao tomar posse, disse que o crescimento seria a prioridade. Não deu certo e a política econômica foi ficando cada vez mais populista.
Mais aqui.

24/12/15

Feliz Natal

Sparks: Christmas Without a Prayer 

21/12/15

Meu pai

Ele faleceu na semana passada. Boliviano, filho de sapateiro, fez medicina no que viria a ser a UFRJ e trabalhou até se aposentar no Hospital do Câncer do RJ.
Abaixo, sua ficha de imigração de 1957. (Encontrei o registro no FamilySearch).