29/09/14

Quase 10 mandamentos para jornalistas econômicos


1- Não compararás estoque com fluxo;
2-Diferenciarás: milhão de bilhão; bilhão de trilhão;
3- Não compararás faturamento das empresas com PIB de países;
4- Levarás em conta o poder paridade de compra das moedas;
5- Deflacionarás os valores;
6- Não escreverás "maior da história" a cada resultado contábil, sem antes calcular em termos per capita, ou como % do PIB;
7- Saberás que o número de empregos da economia não é fixo. Migrantes não tiram empregos;
8- Não escreverás: "Apesar da queda da inflação, a cesta básica encareceu". Um fato não contradiz o outro;
9- Não lamentarás um aumento de importações;
10 - [Em aberto. Sugestões?]

25/09/14

Analisar POF, PNAD, Censo, Pisa... com o R

Aqui. Bonus: os tutorials desse cara são muito bons.
Obrigado, Lucas Mation (que está em processo de conversão ao R). 

24/09/14

"Reinventing State Capitalism: Leviathan in Business, Brazil and Beyond" por Musacchio & Lazzarini

O livro deveria ser leitura obrigatória para quem abrisse a boca sobre o papel das estatais (e do próprio estado) no Brasil. O livro anterior do Lazzarini eu já comentei nos bits desse blog e os textos do Musacchio eu conhecia.
Minhas expectativas estavam altas. Mesmo assim, o livro me surpreendeu positivamente. A ênfase é mesmo no caso brasileiro e os autores conseguiram costurar muito o resultado de suas pesquisas empíricas recentes com uma discussão ampla sobre o papel da intervenção estatal nos diversos ambientes institucionais.
Eu não sei como andam as vendas do livro, mas temo que ele terá um impacto limitado justamente pelos seus méritos. São dois os motivos:
  • O livro não apresenta respostas fáceis, bordões, nem apresenta uma lei geral. Suas visões são ponderadas, cheias de nuances e não se enquadram em nenhuma ideologia de boteco.
  • O leitor imputado é o acostumado a ler uma tabela de regressão. Em seus livros de divulgação, Moretti e Glaeser esconderam a econometria na bibliografia e nas notas. Musacchio e Lazarinni, por sua vez, discutem no corpo do texto questões de endogeneidade, viés de seleção, etc. nas suas análises quantitativas. Tudo ao alcance de um aluno do 2o. ano de Economia, mas que pode excluir boa parte dos leitores potenciais.
Eu recomendo fortemente o livro para os meus 17 milhões de leitores.

20/09/14

Só autopromoção descarada

Textos meus que saíram recentemente:

17/09/14

E se a educação não for a solução?

Em 1940, a Argentina tinha 12% de analfabetos, enquanto o Brasil ,50%. Em 1970, apenas 7% dos hermanos eram analfabetos; um número que ainda não alcançamos. (Fonte)
No fim dos anos 80, eu ouvi de um professor meu (eu acho que foi o Barros de Castro) : "E se depois da inflação acabar descobrirmos que o problema do Brasil não é esse? E se descobrirmos que nem temos o caos inflacionário como desculpa?"
A realidade mostrou que a estabilidade foi condição necessária, mas não suficiente para o país tomar jeito. Hoje existem dois entraves consensuais ao crescimento: 1) infra-estrutura; 2) educação. A infra-estrutura é um gargalo óbvio e eu não tenho nada a acrescentar. A minha dúvida é sobre a educação.
Meu medo: fazemos um choque de educação, aumentamos o número e a qualidade do ensino e aí... nada acontece. Depois de 20 anos descobriremos que nossas instituições são uma porcaria e impedem o desenvolvimento econômico. Perceberemos que o acúmulo de coalizões distributivas* nos tornou incapazes de fazer as reformas urgentes.
Ou seja, mesmo que a educação melhore, temo que viraremos uma Argentina tropical no século XXI. Educados, mas estagnados e sem o consolo de uma Belle Époque ou de um Borges no currículo.
(Só para tirar qualquer dúvida:  é claro que eu defendo o avanço da educação. Eu defenderia mesmo se os ganhos econômicos fossem nulos.)

*Use aqui o jargão institucionalista que você quiser. Eu usei Mancur Olson.

16/09/14

Mestrado e Doutorado em Economia na UCB

O curso é nota 5 na Capes. Maiores informações aqui.

3 Textos Novos sobre Desigualdade Regional no Longo Prazo (2 sobre Brasil e 1 para o mundo)

  • O artigo excelente mesmo- um clássico imediato e resultado de anos de trabalho- é o do Eustáquio Reis "Spatial income inequality in Brazil, 1872–2000". Ele usa os dados das Áreas Mínimas Comparáveis para examinar os determinantes da  desigualdade regional brasileira. O resultado é que custos de transporte e geografia, mais do que instituições, foram os fatores-chave.
  • Agriculture, transportation and the timing of urbanization: Global analysis at the grid cell level. Impressionante: fizeram um grid de umas 63 mil células do mundo inteiro para examinar os determinantes geográficos da urbanização;
  • Last and least, meu humilde texto "Fronteira de Desigualdade Regional: Brasil (1872-2008)" saiu na Revista Análise Econômica.

13/06/14

Chamada para pareceristas ad hoc (de fora de Brasília)

A FAP-DF está cadastrando pesquisadores para elaborarem pareceres. Eles pagam R$240,00 por parecer. O pesquisador tem que ser doutor a mais de 7 anos e trabalhar fora do DF.

29/05/14

Número novo da Planejamento e Políticas Públicas

Aqui. Agradeço, como sempre, aos autores e pareceristas!  (A propósito, eu saio da editoria no final do ano.)

07/05/14

A dica mais importante deste blog

...para jovens economistas aplicados: Code and Data for the Social Sciences: a Practioner's Guide por Gentzkow e Shapiro. (O primeiro ganhou a John Bates Clark).
Leia o texto ou veja o vídeo (é o último da lista), mas faça o favor a si mesmo e aprenda as técnicas. Eu já enfrentei todos os problemas e cometi todos os erros que eles apontam. Ah, se eu tivesse lido isso antes... (Dica do Lucas Mation).

02/05/14

A China é a maior economia do mundo?

Os novos dados de câmbio poder paridade de compra mudaram as estatísticas. A China quase ultrapassou os EUA e o número de miseráveis no mundo desabou de terça para quarta.A imprensa adorou o assunto.
Contudo, preciso lembrar que não importa saber qual é a maior economia do mundo.  (Essa atenção exagerada talvez seja reflexo da preocupação que a população masculina tem com as dimensões de certa parte da sua anatomia durante um determinado período de suas vidas: da puberdade até a demência senil.).
Não faz sentido comemorar ter ultrapassado um país, ou lamentar ter ficado para trás. Em geral, salvo por considerações patrióticas ou ambientais, quanto mais rico o mundo, melhor para todos. Mais ainda, o fato de outros países terem taxas de crescimento maiores da produtividade ou da renda per capita tem pouquíssimo efeito sobre o nosso bem-estar.
Voltando ao assunto, comparar os PIB dos países usando câmbio PPC é menos errado do que usar taxas de câmbio correntes. O problema é que super difícil estimar o câmbio PPC, mas isso deve ser feito - e é feito - da melhor forma possível.
O meu ponto é: a preocupação com a precisão deve estar não no câmbio PPC, mas no PIB chinês. Essa é a estranha omissão no debate. A maior parte das pessoas acha que é superestimado, o grande Fogel dizia o oposto. Medir o PIB em uma economia que passa por mudança estruturais em velocidade inédita na história humana é uma tarefa ingrata. Ademais, não há incentivos para produzir estatísticas precisas. Prova:  Eu tenho este livro oficial de estatísticas chinesas (eu uso só para impressionar os amigos). A soma da população provincial não bate com o total!
Alguns textos interessantes sobre a questão da ultrapassagem dos EUA estão aqui, aqui ou aqui. Já esse aqui está todo errado.

30/04/14

Diversos


25/04/14

Conselhos Fiscais: um dia chegaremos lá

Mais do que duas dúzias de países já tem conselhos e as evidências sugerem que isso está associado a um melhor desempenho fiscal. (Agradeço ao Alexandre Rocha pelo envio do paper)
A Lei de Responsabilidade Fiscal já previa um Conselho Fiscal, mas a tramitação da lei que o regulamenta -até onde sei - está parada. Eu realmente acredito que um Conselho Fiscal, bem desenhado, seria mais importante para o futuro do Brasil do que qualquer outra lei que eu possa imaginar.