Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Agosto, 2016

Cuba, um país desenvolvido (em 1957!)

Reproduzo aqui o post do Brad DeLong em que ele sintetiza o que todo mundo deveria saber. (Brad DeLong, à propósito,é um professor Berkeley de esquerda - para padrões americanos)
"The hideously depressing thing is that Cuba under Batista--Cuba in 1957--was a developed country.  Cuba in 1957 had lower infant mortality than France, Belgium, West Germany, Israel, Japan, Austria, Italy, Spain, and Portugal. Cuba in 1957 had doctors and nurses: as many doctors and nurses per capita as the Netherlands, and more than Britain or Finland. Cuba in 1957 had as many vehicles per capita as Uruguay, Italy, or Portugal. Cuba in 1957 had 45 TVs per 1000 people--fifth highest in the world. Cuba today has fewer telephones per capita than it had TVs in 1957.  You take a look at the standard Human Development Indicator variables--GDP per capita, infant mortality, education--and you try to throw together an HDI for Cuba in the late 1950s, and you come out in the range of Japan, Ireland, Italy, Spain…

Quem escreveu isso? essa ninguém acerta sem googlar!

Dica: O texto é de 1957.

Schumpeter dando bronca no Samuelson

Dei um pulo em Duke para ler os arquivos do Douglass North sobre o Brasil. Mas é claro que tirei um tempo para ver a correspodência entre os grandes economistas do século XX. (Meu plano para a aposentadoria é ficar aqui só lendo fofoca. Tem muita coisa).
Vejam só essa carta que do Schumpeter que o Samuelson guardou:


Quem será?

No relato de viagem do Douglass North no Brasil (1961) ele conta que encontrou no Rio com uma economista brasileira que:
1- Tinha acabado de ser recuperar de um mental breakdown;
2- Era a principal economista mulher do Brasil;
3- Treinada nos EUA, ex-estudante do Benjamin Higgins;
4-  Achava que o Furtado era "brilhante, mas não sabia Economia";
Alguma suspeita? (Não deve ser a MC Tavares. Ela não estudou nos EUA)
PS. Ele diz que o primeiro nome é Maria.

Atualização: Respondido! o @rodrigolach descobriu uma Maria José Paiva que estudou em McGill e foi aluna do Higgins.  Muito obrigado.

O declínio do charque no RS: eu estava errado

O Thales acabou de publicar:

Was it Uruguay or coffee? The causes of the beef jerky industry's decline in southern Brazil (1850 - 1889)
ABSTRACT: What caused the decline of beef jerky production in Brazil? The main sustenance for slaves, beef jerky was the most important industry in southern Brazil. Nevertheless, by 1850, producers were already worried that they could not compete with Uruguayan industry. Traditional interpretations attribute this decline to the differences in productivity between labor markets; indeed, Brazil utilized slave labor,whereas Uruguay had abolished slavery in 1842. Recent research also raises the possibility of a Brazilian "Dutch disease",which resulted from the coffee export boom. We test both hypotheses and argue that Brazilian production's decline was associated with structural changes in demand for low-quality meat. Trade protection policies created disincentives for Brazilian producers to increase productivity and diversify its cattl…

Manual / Humildade científica

Humildade científica
Tal como eu, você não tem nem ideia de como uma fechadura funciona. Portanto, não seja arrogante a ponto de supor que compreendeu o funcionamento do universo. Você poderia gastar um bom tempo lendo os clássicos da epistemologia para entender que não se deve escrever "o trabalho provou" ou "demonstrei" em trabalhos empíricos. Existem boas razões filosóficas para isso e a história da ciência mostra que a arrogância está a um passo do ridículo. Enfim, por enquanto, sem querer entrar em questões mais profundas, o melhor é ser (ou fingir ser) humilde nas suas conclusões. Escreva "o trabalho apresentou evidências em favor da hipótese", ou "as evidências sugerem" ou semelhantes. Por mais acachapantes que sejam as suas evidências, tente ser comedido nas conclusões. Arrogância, cedo demais na carreira, transforma-se em um sinal de imaturidade e desconhecimento das regras do jogo. Manual de sobrevivência na universidade: da graduação …

Manual / Gráficos

Gráficos
Os gráficos cumprem papéis distintos ao longo da pesquisa: no primeiro momento, eles são seus amigos para lhe ajudar a encontrar gremlins. Ou seja, aqueles erros de digitação ou coisas estranhas que costumam invadir os seus dados. Um histograma é o meu predileto. Se você observa picos esquisitos em alguns, vale a pena olhar com cuidado os dados-fonte. Às vezes, valores como 88888888888 ou 999999999 são usados para representar valores em branco ou não disponíveis. Um graficozinho inicial, ao revelar erros de importação, já me salvou de boas horas ou dias de trabalho. Quando você estiver confiante de que seu banco de dados está limpinho, é hora de entrar no processo exploratório de dados. Nessa fase, você busca padrões, relações entre variáveis, diferenças relevantes entre períodos ou qualquer coisa que possa ser importante para o seu problema de pesquisa. Ao longo de sua pesquisa, faça gráficos e os faça em quantidade. Guarde aqueles mais relevantes e que lhe dizem algo. Fina…

Manual / Graduação

Graduação
A vida na graduação Dois extremos: você estudou em colégios privados e, agora, tem todo o tempo da vida para fazer a graduação em uma faculdade pública; ou você é um dos alunos trabalhadores que, depois de se aporrinhar no trabalho, cursa Contabilidade nas Faculdades Reunidas de Unistalda. Se está na primeira categoria, você tem a expectativa de que a universidade será uma sequência de festas, churrascos, porres e sexo ocasional. Você não ficará decepcionado. A qualidade dos eventos varia de acordo com os cursos, mas você se divertirá mais do que nunca na sua vida. Tire os primeiros dois anos de curso para aproveitar, amadurecer e queimar os hormônios e os neurônios. A partir daí, já está na hora de tomar vergonha e pensar no futuro. Afinal, ao se formar, você será um desempregado. Por sua vez, se você é o estudante-trabalhador-que-come-pastel-e-suco-de-dois-reais, a universidade também será o melhor período da sua vida. Você não poderá festear tanto, afinal, faltará energia…

Manual / Google

Google
Tem certeza que você sabe usar o Google? Já vi gente fazendo buscas assim "quero todos os artigos bons sobre o assunto x". Dá dor no cérebro ver alguém fazendo isso. Existem alguns recursos os quais eu duvido que você use e são fundamentais para você encontre aquele texto que o Periódicos Capes não tem. Basta colocar o título entre aspas e um "filetype:pdf", e o Google encontra o texto na página do autor ou de algum congresso. Isso resolve meus problemas uns 80% do tempo e poupa uma ida à biblioteca (se o texto for mesmo útil, recomendo que você obtenha a versão publicada do artigo). Dicas de busca para o Google Frase inteira. Basta colocar o trecho entre aspas para buscar o trecho:
"estrutura social": Busca as páginas com o termo "estrutura social". Busca exata. Impede o Google de tentar adivinhar o que você quer e de corrigir os seus erros de digitação:
"econômia": encontra todas as páginas em que ignorantes, analfabetos e toscos…

Manual / Formatura

Formatura
A festa de formatura existe para satisfazer e quebrar as finanças dos seus pais. A regra geral é que a formatura é tão mais importante quanto menos esperado é o feito. Da mesma forma que o Fernando Alonso não comemora tanto a vitória quanto o Rubinho. Nos últimos anos, há uma tendência a festas cada vez mais elaboradas e de gosto mais questionável. Em um ano, balões coloridos caem do teto, no ano seguinte, um helicóptero solta pétalas de rosa sobre os formandos. No final das contas, o dinheiro é seu - ou da sua família - e você pode gastar nas extravagâncias que quiser. Mas é uma boa ideia não se deixar levar pela competição com outras festas e pela última moda. Qualquer um que faça o discurso em uma formatura, orador ou paraninfo, tem apenas uma obrigação: ser breve. A maior parte da plateia não está lá por você e sim pelos outros (Alguns apenas esperam o jantar e a festa). A maior parte das formaturas ocorre nos dias mais quentes do verão, e um discurso breve é mais memorá…