Pular para o conteúdo principal

Cuba, um país desenvolvido (em 1957!)

Reproduzo aqui o post do Brad DeLong em que ele sintetiza o que todo mundo deveria saber. (Brad DeLong, à propósito,é um professor Berkeley de esquerda - para padrões americanos)
"The hideously depressing thing is that Cuba under Batista--Cuba in 1957--was a developed country. 
Cuba in 1957 had lower infant mortality than France, Belgium, West Germany, Israel, Japan, Austria, Italy, Spain, and Portugal. Cuba in 1957 had doctors and nurses: as many doctors and nurses per capita as the Netherlands, and more than Britain or Finland. Cuba in 1957 had as many vehicles per capita as Uruguay, Italy, or Portugal. Cuba in 1957 had 45 TVs per 1000 people--fifth highest in the world. Cuba today has fewer telephones per capita than it had TVs in 1957. 
You take a look at the standard Human Development Indicator variables--GDP per capita, infant mortality, education--and you try to throw together an HDI for Cuba in the late 1950s, and you come out in the range of Japan, Ireland, Italy, Spain, Israel. Today? Today the UN puts Cuba's HDI in the range of Lithuania, Trinidad, and Mexico. (And Carmelo Mesa-Lago thinks the UN's calculations are seriously flawed: that Cuba's right HDI peers today are places like China, Tunisia, Iran, and South Africa.) 
Thus I don't understand lefties who talk about the achievements of the Cuban Revolution: "...to have better health care, housing, education, and general social relations than virtually all other comparably developed countries." Yes, Cuba today has a GDP per capita level roughly that of--is "comparably developed"--Bolivia or Honduras or Zimbabwe, but given where Cuba was in 1957 we ought to be talking about how it is as developed as Italy or Spain."
Meu outro post sobre o assunto está aqui. Vale a pena também ler também o paper The Cuban Experiment: Measuring the Role of the 1959 Revolution on Economic Performance using the Synthetic Control Method por Ribeiro, Stein e Kang .

Comentários

Bruno Ribeiro disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Leo, o embargo foi tão desastroso para economia cubana quanto dizem os admiradores desse regime?? Digo, é possível estimar isso com testes de controle, etc...
Olá Clovis,

O complicado é saber direito qual é o contrafactual: se tirar o bloqueio, tem que tirar tb as transferências da URSS.
O paper citado no final do post meio que faz isso se baseando na trajetória anterior de CUba e dos países semelhantes.
Abraços,
Olá Leo!

Muito obrigado por responder!!! Como sempre atencioso. Vou dar uma olhada no paper, mas por que teria de tirar o dinheiro da URSS? Não entendi direito esse ponto... Antes, desculpe incomodá-lo, mas mudando de assunto , li uma parte de uma pesquisa sua que afirma que o BF teria pouca influência no resultado das eleições... você acha que o BF dentro do contexto das mentiras da campanha eleitoral não teve nenhum efeito?

Muito obrigada pela sempre generosa atenão,

Clóvis Menezes, seu grande fã
Obrigado pela (excessivamente!) generosas palavras!

Meu ponto é que o contrafactual apropriado é: o que teria acontecido com Cuba se não tivesse acontecido a revolução? Então por isso é que parece adequado tirar tb o subsidio da urss (que certamente não teria acontecido sem o Fidel ter se alinhado).
( o curioso dessa história é que os caras que atribuem todos os problemas de Cuba ao bloqueio estão, ao mesmo tempo, assumindo que comércio internacional é essencial para o crescimento).

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.