Pular para o conteúdo principal

Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2012

Uma parada no blog

Caros 17,5 milhões de leitores, o blog ficará alguns meses sem posts novos. Muitos prazos estão se aproximando em velocidade assustadora e preciso de umas duas horas extras por dia nos próximos meses. Optei por uma abstinência temporária: sem blogs, Facebook ou Twitter. Ficarei só com o e-mail. Depois me contem o que aconteceu. Grato e até mais!

A falta de domésticas

"The future is already here — it's just not very evenly distributed", disse o William Gibson. A implicação lógica dessa afirmação é que o passado também está entre nós. As donas de casa que reclamam da falta de domésticas no Brasil ecoam as reclamações de suas semelhantes na Inglaterra do começo do século XX? (O link é de dezembro, mas eu deixei passar.)

Vocativos

O Dom Quixote começa com "Desocupado leitor,...". Eu já pensei em escrever no blog " Caro colega procrastinador,... ".  Já a McCloskey escreve "... oh materialist economist" em Bourgeois Dignity: Why Economics Can't Explain the Modern World. Como eu gosto de dizer que ¨cultura não importa", tomei o vocativo como pessoal. Agora sou obrigado a terminar o livro. (A propósito, eu confesso que abandonei seu livro anterior "The Bourgeois Virtues". Muito bem escrito e erudito, como sempre,  mas muito chato mesmo.)

"Tudo na vida são economias de escala ou custos de transporte"

The Pursuit of Italy: A History of a Land, Its Regions, and Their Peoples - Gilmour, David

Todo país deveria ter um livro assim: um estrangeiro conta para outros estrangeiros como um país se fez. Além disso, ele trata da base histórica para todo o debate Norte-sul e a Terceira Itália e discute a visão que os italianos têm do país e o país real. O contraste da formação da Itália e o Brasil é chocante. Em 1860, apenas 1 em 40 "italianos" falavam a língua e na Sicília havia quem pensasse que os gritos de "Viva L'Italia" se comemoravam uma certa rainha La Talia. Recomendado para quem tem interesse : 1) na história e cultura italianas (uma ótima seção sobre Verdi); 2) desigualdade regional e afins (é um bom complemento ao Putnam "Making Democracy Work").
Não é um livro acadêmico e está cheio de estórias boas. Os trechos mais tragicômicos do livro tratam das façanhas militares italianas. Salvo o Garibaldi, os demais comandantes eram uma piada. O destaque vai para Carlo Pellion, o conde de Persano, comandante da Marinha. Ele conseguiu encalhar- s…

Exclaves/enclaves

Imagino que os exclaves gerem bugs imensos nos algoritmos de análise e econometria espacial. Eu mesmo já tive problemas com um dos três exclaves municipais brasileiros.
Se os exclaves subnacionais são só aporrinhação, os internacionais são bem interessantes e têm histórias para contar. Além disso, são ótimos para experimentos naturais que discutam espaço X instituições formais. Vejam o caso da cidade espanhola de Llívia, por exemplo, cercada de França por todos os lados. Ou que tal o fantástico enclave de terceira ordem (um pedaço da Índia, dentro de Bangladesh, dentro da Índia, dentro de Bangladesh) ?
Mais sobre exclaves: aqui, aquiartigo acadêmico  (belo primeiro parágrafo, a propósito).
(Pronto. Arrumei um objetivo na vida:  visitar todos os enclaves/exclasses desse mundo. Ainda não tenho roteiro, nem cronograma. Só sei que o último lugar será o quarto 212 do Hotel Claridges de Londres. Por um dia, em 1945, o quarto virou território iugoslavo.)

Quanta sabedoria!

A síntese de "On Liberty" do John Stuart Mill:
Outra obra do mesmo autor:

Historiadores de todo o mundo, descansai: o Nassif descobriu a causa da revolução industrial

Eu juro que estava aqui quieto no meu canto, fazendo as minhas coisas e tentando ficar focado no trabalho. Porém, o Thales (nos comentários) me avisou que o Nassif respondeu a pergunta fundamental da história econômica:"Por que a Inglaterra?"  Adivinhem?
"...a chama que incendiou o imaginário do país, abriu espaço para o florescimento de manufatu6ras sem fim e, depois, criou o clima adequado para as demais reformas foi o câmbio desvalorizado, barateando os produtos ingleses em relação aos concorrentes." Só lembrando, ele já atribuiu o sucesso da Coréia do Sul ao contrabando e a industrialização brasileira ao rádio (porque levantou a moral da nação).

"Thinking fast and slow" de Daniel Kahneman

Até a primeira metade do livro (ou seria o primeiro terço? Em e-books é difícil saber essas coisas), eu estava desanimado. O conteúdo soava com o do ótimo Irrationality, também um livro de divulgação, que o mestre Duílio me presenteou mais de 10 anos atrás. Thinking, Fast and Slow parecia trazer muito pouco de novo, a vantagem é que as histórias são contadas por um dos gigantes dessa linha de pesquisa. Porém, a partir de certo momento o livro engrena e fica muito mais interessante, especialmente quando trata do comportamento e das "irracionalidades" nas organizações.
Recomendo para todas as idades, leitores e formações.

Emancipações municipais no Brasil 1872-2010

Saiu o estudo do IBGE sobre as emancipações municipais no Brasil entre 1872-2010 (valeu, Bernardo Furtado), ou seja, a maldição dos pesquisadores. Para quem não sabe, o jeito de contornar isso é usar as áreas mínimas comparáveis, desenvolvidas pelo Eustáquio Reis e equipe.
Ainda sobre o assunto:
Quer entender o porquê da criação de municípios pós-1988? Leia o trabalho do Shikida;O José Eli da Veiga sacou e agora muita gente já sabe: desconfie muito dos dados de urbanização brazucas. O critério oficial é muito estranho. Conforme se criam municípios, a população dita "urbana" cresce, mesmo que nada mude.

Haiti

Sou filho de imigrante boliviano* e admiro a coragem de quem se arrisca em terras desconhecidas. Mesmo se não o fosse, eu continuaria sendo a favor de fronteiras abertas. No caso do Haiti, não é só um caso de lógica econômica. É uma questão humanitária.

O Flávio Comim escreve aqui:O pessoal do Center of Global Development tem uma ampla produção em defesa de fronteiras abertas. Sobre o caso do Haiti, o Clemens escreve aqui.  * A propósito, todos somos filhos de imigrantes, né não?

Diversos

- Parem as rotativas: construção civil virou tradeable. Quando um hotel de 30 andares pode ser montado em 15 dias, tudo muda;
- Número novo da Cliométrica. Todos os artigos são interessantes, com direito a textos do Galor (do Galor e Zeira) e do Komlos;
- Número novo do Journal of Geographical System em tributo ao LeSage. Destaque para o texto do Elhorst sobre spatial panels.
- A Economist discute os blogs internacionais no debate sobre a crise: aqui (valeu, João Veloso) e aqui. Belos artigos.

Slavoj Zizek, o rei do stand-up

"Existe uma velha piada que diz que o socialismo é a síntese das maiores conquistas da história humana: da sociedades pré-históricas, ele pegou o primitivismo; da Antiguidade, a escravidão; da sociedade medieval, a dominação brutal; do capitalismo, a exploração; e do socialismo, o nome."Aqui para a coletânea das suas piadas. Opa, o link correto é esse (via MR). Ou não.

Irineu propõe um tratamento para a Doença Holandesa

Aqui. O argumento para a relação entre boom e  a bolha de imóveis, terra e crédito foi muito bem explicado. Já sobre o tratamento, eu sempre pensei imaginei aqueles que envolvem o Governo aumentando a sua poupança nos períodos de boom exportador, mas ele propõe uma que envolve o redirecionamento das poupanças privadas para ativos no exterior. Vale o debate pela a turma de macro.

Mac e eu

Eu simpatizo mais com o gordinho da propaganda do que com o moderninho. Não sou um sujeito criativo, fashion e nem de bom gosto. Por esses motivos, criei os meus preconceitos contra as coisas da Apple. (Besteira minha, um monte de gente séria que eu admiro muito usa só Mac).
Muitos Thinkpads e uma temporada com Ubuntu depois, comprei um Macbook air, o mais baratinho da turma.  O R Studio e o Zotero rodam que é uma beleza. A transição foi moleza e - passado um mês - não tive qualquer problema nos arquivos doc e xlsx. Vamos ver como ele se comporta no futuro.