Por que a Public Choice não é mais popular no Brasil?

Eu conheço um monte de economistas ótimos, mas que quando vão analisar corrupção, aparelhamento de agências reguladores e afins, baseiam sua explicação em ideologias ou aspectos pessoais dos ocupantes dos cargos públicos. Ora, Olson, Buchanan e Tullock ensinaram justamente que essas ditas "distorções" são previstas pela teoria econômica!
Por que os economistas não aplicam a Public Choice? Eu chuto que uma parte da explicação vem do enfoque dos cursos de pós-graduação. Como não dá tempo de ensinar tudo, os caras de Public Choice acabam ficando de fora. O outro motivo é que a Public Choice tende a estar associada a uma postura militante libertária, Tea Party e meio paranóica. (A memória pode me trair, mas um dos grandes da área argumentou que o princípio de liberdade de expressão na Constituição Americana é resultado do lobby dos donos de gráfica. Pelamordedeus...). Fica parecendo que você tem que comprar o pacote completo e não - como eu considero adequado - usar os instrumentos de análise quando apropriado.

6 comentários:

Anaximandros disse...

Leo, como sempre tens razão, mas deixo que tua curiosidade encontre uma provável resposta...Por fim, como faço para colocar o share por post? Não precisas rssponder, lógico, mas é o que falta para completar a resposta. abraço do s.

Leonardo Monasterio disse...

Grande Anax,

Moleza. tem dois jeitos (ao menos):
http://www.addthis.com/?utm_source=hm&utm_medium=img&utm_content=ATLogo_orig&utm_campaign=AT_main

OU no proprio blogger vah Configuracoes>Design>Elementos da Pagina> e clique no "Editar" associado ao elemento "Blog Posts". Basta marcar a opcao....

Anônimo disse...

Hehe... o raciossímio é binário. Ou leva a public choice inteira ou não leva nada.

Fico pensando como esse pessoal concilia a versão "nenhum ser-humano presta" com o fato de a Dinamarca sempre figurar bem nos índices de corrupção.

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

rapazes:
criei a "teoria do estado de alfa microeconômico", uma versão rasteira do "teorema das médias". no caso, ela/s diz/em que o comportamento C do político é uma combinação linear entre atitude altruísta e atitude egoísta. claro que esta brilhante reformulação de Gauss surgiu a partir de minhas leituras e discussões milenares. diferentemente do anônimo, a teoria alfa sugere-me aceitar a fração que me convém da public choice...
DdAB

Ronald Hillbrecht disse...

Leo,

Ou será pela seguinte combinação dos seguintes motivos:
i) A maior parte da academia nacional em economia (em um percentual mais próximo de 100% do que de 50%)é avessa às idéias mais liberais (ou libertárias), sendo muito mais "crítica" ao funcionamento de mercados do que às patologias de governo,
ii) Os poucos e bons centros de economia, com economistas de formação no exterior, praticam mais a teoria de mainstream, onde a teoria de escolha pública não é predominante (assim como economia institucional),
iii) Frequentemente são usados argumentos do tipo "strawman" para desqualificar o corpo teórico, como por exemplo argumentar que de acordo com a teoria de escolha pública a liberdade de imprensa nos EUA só foi garantida pelo lobby dos jornais?

Leonardo Monasterio disse...

Caro Ronald,
Respondendo:
i) No meu comentario, eu jah excluia (ao menos na minha cabeca) os heterodoxos de carteirinha;
ii) Concordo plenamente;
iii) Ah, nao fui eu quem disse isso (quem foi? nao me lembro), mas a ideia era justamente de um cara da area. Nao vinha de um critico.

Tecnologia do Blogger.