Pular para o conteúdo principal

Por que a Public Choice não é mais popular no Brasil?

Eu conheço um monte de economistas ótimos, mas que quando vão analisar corrupção, aparelhamento de agências reguladores e afins, baseiam sua explicação em ideologias ou aspectos pessoais dos ocupantes dos cargos públicos. Ora, Olson, Buchanan e Tullock ensinaram justamente que essas ditas "distorções" são previstas pela teoria econômica!
Por que os economistas não aplicam a Public Choice? Eu chuto que uma parte da explicação vem do enfoque dos cursos de pós-graduação. Como não dá tempo de ensinar tudo, os caras de Public Choice acabam ficando de fora. O outro motivo é que a Public Choice tende a estar associada a uma postura militante libertária, Tea Party e meio paranóica. (A memória pode me trair, mas um dos grandes da área argumentou que o princípio de liberdade de expressão na Constituição Americana é resultado do lobby dos donos de gráfica. Pelamordedeus...). Fica parecendo que você tem que comprar o pacote completo e não - como eu considero adequado - usar os instrumentos de análise quando apropriado.

Comentários

Anaximandros disse…
Leo, como sempre tens razão, mas deixo que tua curiosidade encontre uma provável resposta...Por fim, como faço para colocar o share por post? Não precisas rssponder, lógico, mas é o que falta para completar a resposta. abraço do s.
Grande Anax,

Moleza. tem dois jeitos (ao menos):
http://www.addthis.com/?utm_source=hm&utm_medium=img&utm_content=ATLogo_orig&utm_campaign=AT_main

OU no proprio blogger vah Configuracoes>Design>Elementos da Pagina> e clique no "Editar" associado ao elemento "Blog Posts". Basta marcar a opcao....
Anônimo disse…
Hehe... o raciossímio é binário. Ou leva a public choice inteira ou não leva nada.

Fico pensando como esse pessoal concilia a versão "nenhum ser-humano presta" com o fato de a Dinamarca sempre figurar bem nos índices de corrupção.
rapazes:
criei a "teoria do estado de alfa microeconômico", uma versão rasteira do "teorema das médias". no caso, ela/s diz/em que o comportamento C do político é uma combinação linear entre atitude altruísta e atitude egoísta. claro que esta brilhante reformulação de Gauss surgiu a partir de minhas leituras e discussões milenares. diferentemente do anônimo, a teoria alfa sugere-me aceitar a fração que me convém da public choice...
DdAB
Leo,

Ou será pela seguinte combinação dos seguintes motivos:
i) A maior parte da academia nacional em economia (em um percentual mais próximo de 100% do que de 50%)é avessa às idéias mais liberais (ou libertárias), sendo muito mais "crítica" ao funcionamento de mercados do que às patologias de governo,
ii) Os poucos e bons centros de economia, com economistas de formação no exterior, praticam mais a teoria de mainstream, onde a teoria de escolha pública não é predominante (assim como economia institucional),
iii) Frequentemente são usados argumentos do tipo "strawman" para desqualificar o corpo teórico, como por exemplo argumentar que de acordo com a teoria de escolha pública a liberdade de imprensa nos EUA só foi garantida pelo lobby dos jornais?
Caro Ronald,
Respondendo:
i) No meu comentario, eu jah excluia (ao menos na minha cabeca) os heterodoxos de carteirinha;
ii) Concordo plenamente;
iii) Ah, nao fui eu quem disse isso (quem foi? nao me lembro), mas a ideia era justamente de um cara da area. Nao vinha de um critico.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…