Pular para o conteúdo principal

Allen, Murphy e Schneider "The Colonial Origins of the Divergence in the Americas: A Labour Market Approach"

Certo ou errado, o texto é super importante.

Abstract:
Part of a long-run project to put together a systematic database of prices and wages for the American continents, this paper takes a first look at standards of living in a series of North American and Latin American cities. From secondary sources we collected price data that –with diverse degrees of quality– covers various years between colonization and independence and, following the methodology now familiar in the literature, we built es- timations of price indexes for Boston, Philadelphia, and the Chesapeake Bay region in North America and Bogotá, Mexico, and Potosí in Latin America exploring alternative assumptions on the characteristics of the reference basket. We use these indexes to deflate the (relatively more scarce) figures on wages, and compare the results with each other, and with the now widely known series for various European and Asian cities. We find that real wages were higher in North America than in Latin America from the very early colonial period: four times the World Bank Poverty Line (WBPL) in North America while only two times the WBPL in Latin America. These wages place the North American colo- nies among the most advanced countries in the world alongside Northwestern European countries and the Latin American colonies among the least developed countries at a simi- lar level to Southern European and Asian countries. These wage differences existed from the early colonial period because wages in the American colonies were determined by wages in the respective metropoles and by the Malthusian population dynamics of indigenous peoples. Settlers would not migrate unless they could maintain their standard of living, so wages in the colonies were set in the metropole. Political institutions, forced labour regimes, economic geography, disease environments and culture shaped the size of the economy of each colony but did not affect income levels.


Comentários

Thomas H. Kang disse…
O Allen é um dos historiadores econômicos mais consistentes hoje na minha opinião
Thomas H. Kang disse…
Aliás, Leo, olha isso aqui. O debate nos comentários tá bem legal.
Thomas H. Kang disse…
https://economichistorybar.wordpress.com/2013/01/23/high-wages-promotes-development-that-promotes-high-wages-2/#comments

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…