Pular para o conteúdo principal

Economics of Regional Clusters: Networks, Technology and Policy

Saiu o livro editado por Uwe Blien e Gunther Meier e publicado pela Edward Elgar (UK). Tem um texto meu em que uso uma abordagem multilevel para estimar os impactos da localização das firmas nos salários dos indivíduos no Rio Grande do Sul. Por US$125 na Amazon, eu duvido que seja um bestseller (mas está barato quando comparado com isso. Leia os comentários). Eu ainda não recebi o meu exemplar, mas os outros textos parecem bem interessantes. Aí vai o índice:
The Economics Of Regional Clusters
Networks, Technology and Policy
Edited by Uwe Blien, Institute for Employment Research and Technical University of Kaiserslautern, Germany and Gunther Maier, Vienna University of Economics and Business Administration, Austria
Contents:

1. The Starting Point
Uwe Blien and Gunther Maier

2. Innovation Dynamics and the Structure and Evolution of Industrial Clusters
Simona Iammarino and Philip McCann

3. First Steps towards a Critical Appraisal of Clusters
André Torre

4. A Network Based Approach Towards Industry Clustering
Juan C. Duque and Sergio J. Rey

5. Industry-specific Spatial Agglomerations in Germany
Thomas Brenner

6. Sectoral Concentration, Business Networks and Innovative Competences in East Germany – An Empirical Approach to Identify Economic Clusters
Martin T.W. Rosenfeld, Peter Franz and Gerhard Heimpold

7. Clusters and the Spatial Structure of Wages in Rio Grande do Sul (Brazil): A Multilevel Approach
Leonardo Monteiro Monasterio

8. Measuring Specialisation and Concentration in Regional Clusters – An Empirical Analysis for Eastern Bavaria
Joachim Möller and Nicole Litzel

9. Inter-Firm Relations and Economic Clustering in the Dutch Randstad Region
Frank G. van Oort, Martijn J. Burger and Otto Raspe

10. The Contribution of New and Young Firms to the Economic Development of Clusters in Germany: Comparative Analysis of a Growing, a Mature and a Declining Cluster
Anne Otto and Stefan Köhler

11. On Building Clusters versus Leveraging Synergies in the Design of Innovation Policy for Developing Economies
Edward Feser

12. Geographic Concentration of Sectors in the German Economy: Some Unpleasant Macroeconomic Evidence for Regional Cluster Policy
Björn Alecke, Christoph Alsleben, Frank Scharr and Gerhard Untiedt

13. Clusters and Networks: Their Spell Has By No Means Been Broken!
Martin Wrobel

14. Cluster Approaches to Local Economic Development: Conceptual Remarks and Case Studies from Lower Saxony, Germany
Matthias Kiese

Comentários

Anaximandros disse…
parabéns seu Leo, e obrigado pelas loas que andas cometendo com os amigos em pelotas, no bom sentido, é claro...abraco.
Muito obrigado! Se vc quiser (puder) almocar nessa quinta com o nosso homem no Bacen, eh soh me mandar e-mail.
Abracos,
Rodrigo disse…
bacana leo, bacana mesmo. quando der eu leio. abraço.
Anônimo disse…
Parabéns, Leo.
Grande abraço.

Marcelo.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…