Pular para o conteúdo principal

Cultura e Desenvolvimento

Mais uma ótima resenha de Farewell to Alms:
One of my favourite history books is a collection of contemporary letters and reports written during the first half of the nineteenth century about industrial work in German lands. Observers decried how unreliable, slovenly, and undisciplined workers were. Germans had no hope of ever becoming developed!

por Wolfgang Kasper. Leia a íntegra aqui.

Comentários

Anônimo disse…
Bem oportuna essa citação. Verifiquei que a fonte dela, conforme a resenha, foi traduzida para o português há vários anos:

PLUM, Werner. Relatos de operários sobre os primordios do mundo moderno do trabalho. Bonn: Friedrich-Ebert-Stiftung, 1979.

Pelo menos aqui na UFSC, está disponível; 3 exemplares.

Temos um longo debate sobre a industrialização catarinense e sobre a cultura industrial dos imigrantes germânicos como base do sucesso. Chamamos de visão schumpeteriana. Essa idéia foi também estendida para todo o Sul, pelo menos pelo geógrafo alemão Gerd Kohlhepp. É uma hipótese que talvez exija uma melhor investigação, pois eu já havia ouvido essa versão de que cidadãos alemães indisciplinados, pelo menos antes da era de Bismarck. Agora tenho uma boa referência bibliográfica.

Sanson
Grande professor Sanson!
Obrigado por ter buscado a referencia!
No "Rise and Decline" do Olson tb tem um relato falando da preguica dos trabalhadores japoneses no comeco do sec XX (eu acho).

Eu fico pensando que, com as Areas Minimas Comparaveis (1872-??) e informacoes historiacs sobre as colonias da Regiao sul daria para fazer um trabalho quantitativo sobre o tema.
Abracos,
Leo
Anônimo disse…
Dei uma lida rápida no livro do Werner Plum, Relatos dos Operários, e vi que o foco é na formação dos movimentos operários na Alemanha ao longo do século XIX, na linha dos annales. Ele resume diários de trabalhadores e líderes sindicais a partir de uma visão marxista. Mais próximo do espírito da citação, encontrei apenas quatro passagens.
Primeira, à p.21, um trabalhador de construção de uma ferrovia na década de 1860 reclama de colegas que recolhiam terra cavada pelos colegas. Isso dava origem a brigas, pois “os culposos, além de ladrões, eram ainda sem-vergonhas também.” À p.26, do mesmo diário, o autor conta como desafiou seu chefe antes de perder o emprego. Essas memórias são qualificadas de ingênuas por não mostrarem consciência social.
Às p.45-46, nas memórias de um historiador que havia trabalhado quando jovem em ourivesaria, há um relato da ineficiência no funcionamento na oficina do tio dele. O próprio Werner Plum introduz esse trecho dizendo que essas memórias dão um “... testemunho da baixa qualidade das obras artesanais em princípios do século XIX, do sintomático desperdício de tempo e de material, e, não por último da incapacidade de aplicar as técnicas aprendidas a situações e tarefas imprevistas ...” Provavelmente, esse é o trecho que inspirou a citação do blog. Mas tenho dúvidas se isso é generalizável.
Por fim, às p.48-49, há um momento que para mim soou meio irônico, mas que o autor introduziu como exemplo de alienação cultural:
“Para [duas parentes do mestre do memorialista] os franceses eram pessoas de boas maneiras, educadas, que sabiam comportar-se, inteligentes, despretenciosas, compreensivas, cultas, bem ao contrário dos alemães, estes, torpes, burros, ridículos, desajeitados e ignorantes. ...”
Em seguida, há uma crítica à lingua alemã na mesma linha. Esse trecho é parte de um capítulo em que Plum mostra como essa alienação cultural era comum no terceiro mundo à época de seu livro. Não fica claro se o trecho do memorialista se refere ao período posterior a 1806, quando a Prússia já estava ocupada pelas tropas napoleônicas, embora o memorialista dê a entender que esses franceses seriam de um grupo de “peritos estrangeiros da ajuda para o desenvolvimento.”
O que ouvi sobre os alemães foi numa série da TV alemã, provavelmente sobre Frederico, o Grande. O rei (imperador, príncipe ...) reclamava para um assessor inglês que o povo alemão era indisciplinado e que seria uma péssima matéria-prima para um grande império. Parece-me que as coisas mudaram mesmo foi com a unificação e com um sistema escolar baseado em disciplina férrea, junto com reformas institucionais pró-mercado.
Sanson

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…