Pular para o conteúdo principal

Preços hedônicos de imóveis nas favelas do Rio

Uma casa de alvenaria, que era negociada por até R$ 10 mil no tempo em que muitos deixaram a favela por causa do tráfico, agora é vendida por R$ 50 mil.

Será que esse é um jeito correto de avaliar as políticas públicas lá? Algum argumento contra?

Comentários

Cleandro disse…
Desconfio que a ocupação policial (ou, genericamente, a presença do Estado) traga maior valorização que alguma intervenção física de melhoramento da favela. É tema para examinar mais detalhadamente... até porque o aumento dos preços colocará dificuldades para que o pessoal de mais baixa renda consiga encontrar alguma alternativa habitacional acessível... e a maioria que compra imóvel em favela vem da própria favela.
Pois eh, mas eu pensei o seguinte: mesmo que o cara que morava na favela venda sua casa por causa da valorizacao, a politica foi bem sucedida. Afinal, ele nao foi forcado a vende-la, neh?
rafael p disse…
pontos:


1. Quantas pessoas na favela moravam em condições adequadas de habitação antes do programa?

2. Após finalização do programa, quantas pessoas na favela passaram a morar em condições adequadas de habitação?

Ah se fosse tão simples assim... Como a Favela não é um sistema fechado, seria necessário ter uma noção precisa das pessoas que imigraram e emigraram da favela devido ao programa. Aquelas pessoas que antes moravam na favela em condições inadequadas de moradia foram para onde? Quer dizer, se esse cara saiu de um lugar inadequado para outro lugar também inadequado sua condição habitacional não melhorou muito... Aquelas pessoas novas que entraram na favela, antes da mudança elas viviam em quais condições habitacionais?

Enfim, a idéia é nesse caso a política afeta diretamente um território localizado, mas seu “público alvo” não é fixo. A migração de desse público alvo e sua substituição por população de média renda pode levar o programa a, num segundo momento de consolidação dos impactos do programa, cometer um erro de beneficiar quem não era público alvo.....

E isolar esses efeitos não deve ser nada fácil. avaliação de política no RJ é dose....
Bem, se o cara se mudou voluntariamente, mesmo que para outro lugar com condicoes inadequadas, alguma melhoria houve. O negocio eh que a melhoria- para as pessoas antes da intervencao - nao eh tao grande quanto parece a olho nu.
(ei, enquanto digito isso estah passando uma reportagem sobre o d. marta no RJ no bom dia brasil. Profunda como um pires.)

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…