Pular para o conteúdo principal

Meu único post sobre aquecimento global

Eu não entendo bulhufas sobre aquecimento global, mas tenho um único pitaco.* Lá vai: a discussão se o fenômeno é causado pelo homem é irrelevante para a decisão sobre o que fazer (ou não fazer). Pouco importa se foi a Terra que aprontou isso com a gente, ou o contrário. Afinal, os danos das mudanças climáticas são indiferentes à origem do fenômeno, ora bolas. Os custos da adaptação também não perguntam quem é o culpado. Enfim, não há nada de sagrado na temperatura do planeta. (Imagine se a Terra entrasse em uma trajetória de esfriamento. Nesse caso, aqueles que hoje defendem a redução das emissões de gases relacionados ao efeito estufa, deveriam defender um aumento das emissões de CO2, não?)
*Os dois caras que eu conheço que mais entendem de aquecimento global são o meu ex-aluno Martin Brauch e o neo-amigo Gustavo Luedeman.

Comentários

rafael p. disse…
Leo,

se foi a Terra que aprontou isso com a gente, então não restaria muita coisa a ser feita a não ser tomar medidas de adaptação.

No outro caso, em que a gente estaria de fato aprontando isso com a terra, então seria possível não somente tomar medidas de adaptação mas também medidas de mitigação das atividades humanas que impactam no aquecimento.

Acho que faz alguma diferença sim..... mas como compartilho das suas bulhufas, é só mais um pitaco.
MDBrauch disse…
Se aquecimento global não é um dos sinais do fim dos tempos, um post de Leo Monasterio sobre o assunto, sem dúvida, é! Mas, acompanhado do label "off-topic" e de altos disclaimers, até que não é tão apocalíptico assim. :)

Antes do meu comentário, aí vai o meu disclaimer: se Leo Monasterio diz que eu sou um dos caras que ele conhece que mais sabe sobre aquecimento global, isso é apenas um sinal de que Leo Monasterio não conhece muita gente que esteja interessada no assunto, e não de que eu saiba tanto assim. :P

Ok, ao comentário:

Acho que não dá pra discordar da ideia de que "os danos das mudanças climáticas são indiferentes à origem do fenômeno". Por outro lado, acho que os custos de adaptação perguntam, sim, quem é o culpado. Talvez seja uma questão de política, mas pelo menos é assim que a comunidade internacional tem visto o problema desde 1992. A alocação de custos dos esforços de adaptação e mitigação entre os Estados tem sido pautada pela ideia de que eles têm diferentes graus de 'culpabilidade'.

Quanto a haver algo de sagrado na temperatura da Terra... ok, de fato não há. Mas o aumento da temperatura comprovadamente traz problemas - e, pior ainda, problemas futuros cuja extensão a ciência não está em condições de conhecer com precisão. Nesse contexto, mesmo não sendo pelo argumento do sagrado, há incentivos para não interferirmos no clima, certo?

Só pra constar: existe forte consenso científico sobre o fato de que quem está aprontando somos nós. "Most of the observed increase in global average temperatures
since the mid-20th century is very likely due to the
observed increase in anthropogenic GHG concentrations." (http://www.ipcc.ch/pdf/assessment-report/ar4/syr/ar4_syr_spm.pdf)

E por fim: o SuperFreakonomics (que eu [ainda] não li) tem um artigo sobre "global cooling". Alguém já leu?

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…