Pular para o conteúdo principal

Eu errei

Eu escrevi aqui que a recessão de 2008 ia ser tão mixuruca que nem chegaria a merecer um nome. Mas quando o grande historiador econômico Nick Crafts se junta aos que a chamam de Grande Recessão, parece que o nome veio para ficar. (Bem, basta saber se a alcunha sobreviver no longo prazo. Afinal, até a década de 30, a "Grande Depressão" se referia à crise de 1873-1896. E A Grande Depressão também já foi chamada de Great Slump) De qualquer forma, sugiro a leitura do texto do Crafts que conclui:
"Two cheers for economists

It can be argued that from the autumn of 2008, economics and economic history had a good crisis. Some of the lessons of the 1930s had been well learned, especially by the Federal Reserve led by Ben Bernanke, a scholar who has made seminal contributions to research on the period. Aggressive policy responses prevented a collapse of the banking system and injected fiscal and monetary stimulus, which limited the downturn. Similar actions in 1930/1 would have averted the economic catastrophe that followed for the US, but then the economic analysis available to policymakers was not up to the task.

Two cheers for economists are in order. They were complacent before the financial crisis, but they did know enough to limit its impact so that the outcome was the Great Recession and not a Great Depression."

Comentários

A resposta não foi perfeita. Mas foi uma grande vitória da ciência econômica. Com mais tempo, eu ainda conto a minha perspectiva, e onde eu acho que poderia ter sido diferente.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…