Pular para o conteúdo principal

Hausmann, economistas e dentistas

Tem uma frase do Keynes muito boa, aquela usada pelo Drunkeynesian como lema no blog:
 "If economists could manage to get themselves thought of as humble, competent people on a level with dentists, that would be splendid." 
Os dentistas eram arrancadores de dentes na época do Keynes. Gente que agia só no momento de crise para diminuir a dor, mesmo que as custas de um ou dois molares.
Eu concordo com a frase do Keynes. Economistas devem ser como dentistas, mas dentistas contemporâneos. Ou seja, o cara que diz: "escove os dentes depois das refeições", "use flúor e fio dental",  "não coma tanto açúcar" e outros conselhos que descumprimos religiosamente. Ou então que aja como o ortodontista que vai, aos poucos, corrigindo uma ou outra distorção.
O Haussman escreve aqui que os economistas deveriam agir como o autocomplete do google, ou como um cérebro,  antecipando os próximos passos. A experiência internacional acumulada apontaria o caminho a seguir na próxima fase do desenvolvimento econômico.
Enfim, eu nem critico a visão "ferroviária" do desenvolvimento implícita na proposição do Hausmann. Eu critico sua ambição. Eu prefiro algo mais modesto, na linha de bom dentista-economista: "prefira rules à discretion", "elimine as distorções alocativas", "combata a inflação" e assim por diante.

Comentários

Anônimo disse…
Depois que o Hidalgo (frequente co-autor de Hausmann) fez a seguinte crítica, tenho ficado com os dois pés atrás com o pessoal da escola econômica das bolinhas coloridas...

When I read Adam Smith or I read Hayek, at some points in their narratives they always include a more tangible narrative, or story, or description of the economy. It's what I like to call a fairy tale economy, or a Disney economy, in which you have the butcher and the baker and the brewer and the horseshoe maker. They all have a small business and they trade with each other. Basically through the price system, they're able to adjust supply and demand and whatnot, so they're like these little villages of nice small business owners.

Nowadays, obviously if you go to most important cities and you deal with relatively large organizations, they are very different from that. An organization, a multilateral organization, like the World Bank, or the UN, or a company like Xerox or IBM they're like these monsters with hundreds of thousands of people, or at least tens of thousands of people. They're not this fairytale economy in which there's the brewer, the baker and the horseshoe maker.

Chamar a tradição de pensamento do Adam Smith ou do Hayek de "conto de fadas" me lembra a "arrogância fatal" do próprio Hayek... Não que eles sejam perfeitos ou oráculos, mas tampouco são os próprios Hidalgo e outros...

Valeu pelo comentário.
"disney economy" é muito engraçado. Tão engraçado quando "escola econômica das bolinhas coloridas".
Anônimo disse…
Agora todos podem ter suas bolinhas e quadradinhos coloridos!

ISBN 9780262525428

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.