Pular para o conteúdo principal

E se a educação não for a solução?

Em 1940, a Argentina tinha 12% de analfabetos, enquanto o Brasil ,50%. Em 1970, apenas 7% dos hermanos eram analfabetos; um número que ainda não alcançamos. (Fonte)
No fim dos anos 80, eu ouvi de um professor meu (eu acho que foi o Barros de Castro) : "E se depois da inflação acabar descobrirmos que o problema do Brasil não é esse? E se descobrirmos que nem temos o caos inflacionário como desculpa?"
A realidade mostrou que a estabilidade foi condição necessária, mas não suficiente para o país tomar jeito. Hoje existem dois entraves consensuais ao crescimento: 1) infra-estrutura; 2) educação. A infra-estrutura é um gargalo óbvio e eu não tenho nada a acrescentar. A minha dúvida é sobre a educação.
Meu medo: fazemos um choque de educação, aumentamos o número e a qualidade do ensino e aí... nada acontece. Depois de 20 anos descobriremos que nossas instituições são uma porcaria e impedem o desenvolvimento econômico. Perceberemos que o acúmulo de coalizões distributivas* nos tornou incapazes de fazer as reformas urgentes.
Ou seja, mesmo que a educação melhore, temo que viraremos uma Argentina tropical no século XXI. Educados, mas estagnados e sem o consolo de uma Belle Époque ou de um Borges no currículo.
(Só para tirar qualquer dúvida:  é claro que eu defendo o avanço da educação. Eu defenderia mesmo se os ganhos econômicos fossem nulos.)

*Use aqui o jargão institucionalista que você quiser. Eu usei Mancur Olson.

Comentários

Anônimo disse…
"Eu defenderia mesmo que os ganhos econômicos fossem nulos"?

Por que o estado deveria subsidiar uma atividade sem nenhuma externalidade positiva?
Sandro Dantas disse…
Qualquer que seja a variável escolhida, sempre haverá um "necessário, mas não suficiente". Mas eu venho a acreditar, através de pesquisa osmótica de campo, que os benefícios econômicos e sociais indiretos da educação devem ser maiores do que em qualquer outra variável.
A resposta curta é: pq tem direitos que não precisam de justificativa econômica.
A resposta um pouco mais longa é: Mesmo que educação fosse só sinalização para os indivíduos (sem qq ganho de produtividade no agregado), o apoio público promove mobilidade social.
A proposito, a referência ao Borges eu devo ao meu amigo Sabino, que se satisfaz com um ou dois gênios literários.
lucas disse…
Po Leo, já tinha ouvido este contra-exemplo da Argentina numa palestra do Carlos Lessa em 2004. Mas não dá. Me corrija se estiver falando besteira, mas você tá pegando um único caso histórico, de um país relativamente pequeno, que era abnormalmente rico pro nível de educação e capital que tinha na época, por causa de produtos agrícolas que só perderam valor até os anos 1990, etc. Não faz frente as milhares de outras evidências micro e macro. Especialmente no Brasil, que era o exato oposto, uma pais pouco educado demais para seu nível de renda. Abs
Anônimo disse…
Meus caros,
Só rapidamente. Mesmo que a educação gerasse externalidades positivas, poderia ser o caso do governo não investir nesta (o bom e velho teorema de Coase). A razão pelo qual é necessária a intervenção pública é a falta de mercado de crédito para financiá-la devido a inexistência de colateral (e supondo que sua taxa de retorno seja alta, como mostram os estudos empíricos).
Um grande abraço.
Eu tive uma recaída no lema: "instituições importam". Educação boa em cima de instituições ruins terá um efeito bem mixuruca.
As evidências macro (boa parte beeem questionável) pegam efeitos /médios/do K humano no crescimento. No caso do Brasil, tenho lá minhas dúvidas.
Anônimo das 15:14,

Claro que vc está certo, mas só se educação realmente gerar ganhos de produtividade. Se for só sinalização para o mercado de trabalho, o argumento do $ público perde o sentido.
Anônimo disse…
E pensando a educação não pela produtividade, mas como construção do "capital social" (sem nenhum cuidado metodológico aqui) capaz de gerar avanços institucionais?

Pensando aqui que a expansão da alfabetização e da educação básica nos principais países europeus há +- 2 séculos esteve muito mais próximo dessa coisa de "construção institucional" dos Estados modernos do que como busca por aumento de produtividade.

Mas claro, aí não passa tanto pelo que se aprende em matemática ou português, mas na capacidade de um sistema de ensino que alcance todos de forma relativamente semelhante em gerar uma maior coesão social, pelo menos num sentido de todo mundo falar uma "mesma língua" intelectual, moral, etc, supondo que isso facilitaria soluções mais eficientes pros conflitos distributivos.

Enfim, pensando alto aqui, nem eu sei se faz muito sentido o que eu escrevi.
Tiago disse…
Mas se existe um impedimento estrutural de reformas necessárias, como teria sido possível viabilizar um choque governamental que acelerasse o desenvolvimento educacional em primeiro lugar?
Anônimo das 17:06. Sim, pode ser. Mas tem que ter cuidado. Isso pode ler à defesa do ensino de Ospb e EMC (matérias obrigatórias durante a ditadura.)

Tiago,
Coisas estranhas acontecem. Reformas improváveis já foram aprovadas. Nem acho que vai rolar mesmo.
Anônimo disse…
Alguns modelos de desenvolvimento econômico mostram que o efeito da educação dependerá também do grau de abertura da economia.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.