Pular para o conteúdo principal

Bicicletas, privadas e humoristas

Disse um humorista: "Nos países em que você lava a própria privada, ninguém mata por uma bicicleta". E acrescentou: "Um pobre menos pobre rende mais dinheiro para você e mais tranquilidade nos passeios de bicicleta."
Imagino que ele tenha relacionado pobreza com violência. Como eu não tenho dados sobre roubos de bicicleta, vou ver se a pobreza e a taxa de homicídios estão correlacionadas.
Enfim, sem nem pensar na suposta causalidade do título, já dá para ver que a afirmação não resiste a cinco minutos de análise de dados.
Outra coisa: se a redução da pobreza por si só realmente reduzisse a violência, esta teria caído fortemente no Brasil dos últimos anos, né? Afinal, a pobreza caiu muito e a violência não (Na verdade,  a violência até aumentou nas regiões em que a pobreza mais caiu).
Que tal lutar pelo fim da pobreza como um fim em si mesmo?

Comentários

Flavio Comim disse…
Boa Leonardo! Mas como ficaria com a desigualdade? Grande abraço, Flavio
Rafael Pereira disse…
Léo, acho que o texto faz uma confusão entre pobreza e desigualdade e chama tudo de pobreza. Reforço o pedido do Flavio para vc fazer um update do post ;)
Caros amigos Oxbridgeanos,

Aqui vai Desigualdade X Homicídios:
http://www.google.com/publicdata/explore?ds=d5bncppjof8f9_&ctype=b&strail=false&bcs=d&nselm=s&met_x=intentional_homicides&scale_x=lin&ind_x=false&met_y=si_pov_gini&scale_y=lin&ind_y=false&dimp_c=country:region&idim=country:HND:CHL:BRA:SLV:ZAF&ifdim=country&tunit=Y&pit=1214794800000&hl=en_US&dl=en_US&ind=false&icfg

Ou seja, alguma correlação, mas longe de algo determinístico. Olhem a América Latina: nenhuma correlação (o dado do Chile está certo??).

Na verdade, coisas me incomodam no texto:
- A superficialidade professor-de-Geografia-bacana-de-colégio-do-RJ ou mito progressista (Hirschman (tm)) : "coisas boas vêm junto". se diminuir pobreza/desigualdade, as violência cai. Ora bolas, a experiência recente mostrou que não. Quem dera assim o fosse.
- A ideia de que a principal vítima da violência é a elite. As áreas mais violentas não são onde os ricos estão e sim onde os pobres moram (que -muitas vezes- sofrem tb com a violência policial).

Valeu!

Abraços,
Leo.
Tiago disse…
Leonardo,

Achei o post excelente, principalmente a ultima frase. Lutar pelo fim da pobreza não é algo que deveria ser visto como instrumento pra nada.

Sobre a desigualdade, porém, acho que a correlação é bem mais forte do que você sugere. Botei o mesmo gráfico que voce linkou em log, e a correlação é bastante forte:

http://goo.gl/RgF8wu

Naturalmente, a correlação pode ser espúria (e alguns estudos defendem que ela de fato é: http://jpr.sagepub.com/content/42/1/101.full.pdf ).
Caro Tiago,

Valeu! De fato, a correlação parece mais forte com outra escala.

Olhe lá a correlação dentro dos continentes. Aí não parece que ela se sustenta, né?
Seria legal fazer o gráfico da variação dos homicídios e a dos ginis. Assim, vc controlaria para os efeitos fixos.
Tiago disse…
Exatamente. Sobre efeitos fixos, não chega a ser a técnica mais apurada, mas eu apertei "play" no gráfico e não consegui enxergar correlação no tempo. Os movimentos parecem ser horizontais ou verticais, não na diagonal que seria esperada.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.