Pular para o conteúdo principal

Contra a metáfora doméstica na defesa do ajuste fiscal

Eu mesmo uso a analogia com os alunos. Para explicar a regra de ouro da Contabilidade Pública, eu digo "Não pode entrar no cheque especial para pagar o condomínio". Até aí, tudo bem.
Agora, nos debates sobre o ajuste fiscal, tem-se ouvido dos defensores da EC 55 :
"As finanças públicas são como a casa da gente. Não dá para gastar mais do que se ganha."
Eu acho uma má ideia recorrer a essa metáfora para o público.  Ora, como toda metáfora e como todo economista sabe, a analogia é imperfeita e a economia não é como a casa da gente. Até aí, também tudo bem. O motivo principal pelo qual sou contra a analogia é que ela é derrubada pelo contra argumento que o leigo entende com facilidade excessiva:
"Ah, mas a diferença é que na economia, o que o governo gasta determina o quanto ele próprio ganha. Quando o governo gasta, o dinheiro da economia gira, gera mais emprego, isso aumenta a arrecadação e - de lambuja- o Brasil será hexacampeão de futebol . "
Rejeitar esse argumento exige conhecimento e explicações bem acima da média do público. Tem-se que argumentar que o multiplicador não é assim tão grande,  discutir a elasticidade do PIB em relação ao gasto, o espaço fiscal e o problema dinâmico do endividamento. Ninguém tem paciência de ouvir tudo isso e é mais fácil cair no raciocínio confortável do keynesianismo vulgar.
Então, vamos defender o ajuste fiscal, mas - por favor - deixemos para lá a metáfora doméstica.
(Para ficar claro: eu sou a favor do ajuste fiscal. Só acho o argumento ruim para o debate público)

Comentários

Dionísio disse…
De um ponto de vista de esquerda (mas não vulgar Keynesiano), o maior mal da metáfora do orçamento doméstico é pressupor que não há conflitos quanto à repartição dos custos do ajuste. Numa família, todo mundo está no mesmo barco. A sociedade, e uma sociedade profundamente desigual em seu acesso aos mecanismos políticos, não é assim.
Caro Dionísio,
Pois é, toda metáfora tem seus limites. (Curiosamente, um cara de public choice tb pode dizer o mesmo do que alguém de esquerda. )
abraços,
pedroalves00 disse…
Caro Leo, você pode indicar algum artigo que fala sobre o tamanho do multiplicador brasileiro e outro que fale sobre o problema dinâmico do endividamento brasileiro? Abraço
Bernardo Huanca disse…
O Brasil é o Titanic; O default da dívida será o iceberg. Para evitar uma colisão não basta fazer a curva, girando o leme (para direita, presumivelmente). Também é preciso ir desacelerando...Então a casa das caldeiras, começa a reverter os motores, exemplificando o quanto a indústria de transformação demitiu no último semestre.
É claro que essa desaceleração tem inconvenientes, pois se os motores não giram, o Diesel, que a bem pouco tempo tinha preços administrados, acumula em estoques ociosos.
Ainda na casa de máquinas, lembremos que no Keynesianismo Hidráulico os multiplicadores de impacto do gasto público trabalham como Servo-motores da indústria de transformação. Indústria essa que precisa de proteção, haja vista que os estaleiros e a nascente indústria naval já ter dado com os burros n'água, naufragando em dívidas.

Agora acompanhe os últimos momentos da des-gestão Dilma, comandante do Titanic: A base aliada desembarca do governo; Para melhorar o "estado de confiança", os músicos Chico Buarque e Tico Santa Cruz aparecem tocando violino no convés; Trajando um colete salva vidas, o japonês da federal surge colocando ordem; Com o navio naufragando, fogos sinalizadores são atirados para o alto (é a abertura a das olimpíadas...); A primeira classe, que tem acesso aos botes, afasta-se para Miami.

No fim, Leo de Caprio (Lula), o preferido do público, morre de hipotermia como se em Curitiba estivesse, numa cela fria da PF.
Bruno Wanderley disse…
Leo,
"o que o governo gasta determina o quanto ele próprio ganha."
É só dizer: E funcionou nos últimos anos?
O argumento do orçamento familiar é simples de explicar para a população mais humilde.
Anônimo disse…
O problema, Bruno Wanderley, é que a resposta para essa pergunta vai depender, em grande medida, da composição do gasto.
É absolutamente indiscutível que tão importante quanto o montante do gasto público é a forma.

Nessa, to 100% com o o redator.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.