Pular para o conteúdo principal

Razão de masculinidade no mundo e nos estados brasileiros

Esse ótimo post mostra como fazer o gráfico do número de homens por mulher a cada idade por país. Fica bem claro que nascem mais homens do que mulheres e que tal taxa despenca na 3a idade. Também me chamou atenção como essa queda ocorre  mais cedo nos países ex-comunistas. Vodka e cigarros devem ser os responsáveis.


No Twitter, perguntei se alguém tinha um gráfico desses para o Brasil. O Rodrigo Godoy Conejo (@RodrigoGConejo) fez os belos gráficos abaixo. Legal ver como ainda há estados na Região Norte com perfil demográfico de regiões de fronteira, ie com mais homens do que mulheres em idade ativa.
A aumento recente da violência no Nordeste cobrou seu preço: a taxa cai bem mais rápido em Alagoas e no Ceará.
Eu só não tenho ideia do que acontece no DF. (A taxa de homicídios não é tão alta -para o padrão brasileiro-,  mas será que o setor público atrai um número extraordinário de mulheres?)



Comentários

Renato disse…
Olá Leonardo,

Eu vi esses gráficos do Rodrigo e fiquei com essa história do DF na cabeça.

Daí resolvi usar os microdados da amostra do censo de 2010 para verse achava algo.

Seguindo o seu palpite, eu primeiro fiz o cálculo excluindo os funcionários públicos federais (exceto militares), mas isso aumentou ainda mais o desequilibrio.
Outra ideia que tive foi sobre o número de secretárias. Fazendo o mesmo exercício de exclusão, a razão fica um pouco melhor, mas ainda bem longe do esperado. Mesmo assim, a proporção de secretárias teria que ser absurdamente maior em Brasília em comparação com o resto do país para explicar a diferença.

http://rsvieira.com/plot1.html

Daí pensei em comparar Brasília com Gôiania e com interior de Goiás. Tem aquela história de que as meninas saem para estudar/trabalhar na capital e homens ficam lá largados no interior. Acho que a comparação indica que essa questão pode ser outro fator importante pra explicar as diferenças entre a razão nos estados brasileiros:

http://rsvieira.com/plot2.html
Olá Renato
Bom ter notícias suas!
Obrigado pelos gráficos. Vou atualizar o post com os links.
Realmente, é bem misterioso.
Abraços,
Leo.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.