As raves medievais

Entre os séculos XIV e XVIII, a surtos de dança apareceram de tempos em tempos na Europa. Descontroladas, as pessoas dançavam por horas e dias até a exaustão. A praga aparecia em uma cidade e se espalhava pelas vilas vizinhas. Mas nos conventos o negócio era bem mais animado. No sul da França em 1627 as freiras:
...often behaved with alarming lewdness: lifting their habits, simulating copulation, and giving their demons names such as Dog’s Dick, Fornication, even Ash-Coloured Pussy.
E vejam o que as ôtoridades fizeram para combater o surto de Strasburgo:
the city authorities ensured that the outbreak got out of control by having the dancers gathered together and left to dance in some of the most public spaces in the city .
Imaginem o espetáculo! O autor do artigo publicou este livro sobre o surto de 1518.
Via boingboing.

5 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom isso aí.

Marcelo Passos disse...

Pois é, estas freiras eram do balacobaco.
No livro do Gilberto Freyre ele descreve que o os nomes dos doces conventuais (doces portugueses feitos pelas freiras para os padres) e de alguns doces brasileiros de origem portuguesa tinham nomes que parecem títulos de pornochanchadas.
Alguns deles:Beijos de Freira, meias luas de Santa Clara, Bolo da Abadessa, Pescoço de Freira, Sopa Dourada das Freiras de Santa Clara, Barriga de Freira, Pudim à Abade de Priscos, baba de moça, beijinho, ciúmes, arrufos-de-sinhá, bolo dos namorados, colchão de noiva, fatias-de-parida, manjar-do-céu, bolo divino, papos-de-anjo...
Nos conventos, a comilança pode não ter sido punida como gula nem luxúria.
Mas que tinha muita comilança pelos conventos, tinha...
Abraço e parabéns pelo post.

Duilio de Avila Bêrni disse...

dançar sem parar lembrou-me o livro (que não li?) e o filme que vi sobre a Grande Depressão: but they kill horses, don't they?" feito porco nas batata, fugiu-me agora o título em português, do filme e livro. do filme, ter-me-á ficado que era Jane Fonda? parecia-me que o livro fora traduzido por Érico Veríssimo ou alguém de sua velha troupe da velha Editora do Globo.
.d.

Leonardo Monasterio disse...

Marcelo,

Ouvi dizer que os doces saturados de gemas eram um subproduto das hostias (feitas com clara) feitas dos conventos. confere?

Duilio,
O filme era "A noite dos desesperados". Os titulos em Ingles e em Portugues sao igualmente brilhantes.

Marcelo Passos disse...

Salve Leo, salve Duilio.

Leo, não sei se a abundância de claras tem a ver a abundância de hóstias.
Mas tua pergunta faz sentido. Afinal, conseguir economias de escopo na produção de gemas, ovos, doce e sexo seria uma estratégia interessante naqueles tempos reprimidos, né não?
Abraços,

Marcelo.

Tecnologia do Blogger.