Pular para o conteúdo principal

"Eu sou eu e minhas circunstâncias"

Eu já vi isto mais de uma vez. Um maluco no cruzamento faz gestos para os carros pararem e continuarem. Quando o sinal está verde, ele "manda" os carros continuarem; quando está vermelho, faz o gesto para pararem. Na cabeça dele, ele controla o trânsito.
Quem usa os clichês "projeto nacional" e "estratégia de desenvolvimento"  tende a acreditar que é tudo uma questão de "vontade política" do governo. Esse tipo de pensamento tem dois problemas: 1) cai, facilmente, no maniqueísmo ou, na melhor das hipóteses, em falsos dilemas; 2) não correponde à vida como ela é. O gráfico sugere quem conduz o trânsito. (E tem gente que ainda torcia pela queda dos preços das commodities...)

Aqui. Via @drunkeynesian.
PS. Eu sei que a frase do título do post não é apropriada, mas não me ocorreu nada melhor.

Comentários

vnc disse…
Legal, Leo. Tenho curiosidade de ver um gráfico semelhante para o Chile ou, digamos, Noruega. O ponto é que é provável que esses países façam usos de booms nos preços dos bens que produzem intensamente e se segurem contra os riscos associados a variações de tais preços através de ativos financeiros (amplamente definidos), como Teoria Econômica básica sugere. Acho que meu ponto é: podemos explorar nossas vantagens comparativas e ondas de preços favoráveis e, na medida do possível, nos segurarmos contra os riscos relevantes. "Comprar" seguro subsidiando a indústria (ou, como dizem os intelectuais, pensando o -- nunca entendi porque não usam "no" -- projeto nacional) me parece uma grande bobagem geradora de (quase, como diriam os economistas de antigamente) renda poucos eleitos.

vnc
Yves Junqueira disse…
Eita que gráfico acochambrado em? Meu professor de Estatística adorava essas adaptações criativas.
Anônimo disse…
E pensar o quanto de recursos públicos que são jogados fora na tal de indústria nacional. Soma-se a isto os gastos em palácios em Brasília, super-salários, setor público ineficiente, aposentadorias privilegiadas, desperdícios de toda ordem e corrupção. Decididamente, o "projeto nacional" ou a "estratégia de desenvolvimento" é continuar enriquecendo uns e dando migalhas para outros.
Jorge Browne disse…
Reconhecer que o Estado tem um papel na economia além da regulação, o que vale acreditar em tipos de "estratégia de desenvolvimento", não significa tendência a reduzir tudo a questão de "vontade política". Pelo menos na maioria dos casos que conheço.

Quanto ao gráfico, as vezes eles valem mil palavras, outras não...
Jorge Browne disse…
Este comentário foi removido pelo autor.
Caro Jorge,
O gráfico que eu postei foi feito em taxa de variação. Isso restringe bastante a correlação espúria.
Abracos,
Anônimo disse…
Existe relação casual entre as variáveis plotadas no gráfico? Ou ambas as variáveis são efeito de alguma outra ... Tipo assim, a taxa de crescimento global.
Anônimo disse…
A teoria econômica é a base para se propor modelos econométricos com algum sentido. Qual a teoria que embasa o gráfico do Browne?
Jorge Browne disse…
Leonardo, é verdade. Mas vai bem na linha do correlation is not causation.

Anon, não consigo em pensar em nenhuma teoria cítrica para aquela correlação espúria. E tenho dificuldades de achar uma que explique a variação do PIB do Brasil como função única da variação dos preços das commodities...

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…