Pular para o conteúdo principal

"Economic Development and the Biological Standard of Living in Brazil, 1830-1960" por Franken

Os alemães devem ter uma palavra para expressar a sensação de alívio quando você descobre que alguém fez o paper que você se sentia obrigado a fazer e - ainda por cima- fez bem melhor do que você seria capaz. Foi isso o que eu senti, quando soube do texto:
I utilize anthropometric evidence to estimate secular and regional trends in the biological standard of living in Brazil from 1830 to 1960. I utilize two new sources of height data—military records (that capture typical Brazilian males) and passport records (that represent elite Brazilians). I find substantial improvements in the biological standard of living of the middle and lower classes during the period of rapid export-led industrial growth (1870-1913), yet no significant increase for the elite. Furthermore, soldiers from the North and Northeast were consistently shorter than those from the South and Southwest, irrespective of time period. I present preliminary evidence on the climatic variables that underpinned such persistent regional inequity. Rainfall intensity and the absolute temperature range are both economically and statistically significant. The final section concludes the paper and details plans for additional research. (Grifos meus)
(No Abstract, ficou esquisita a expressão "rapid export-led industrial growth". Ficou parecendo que ele acha que as exportações eram industriais. No texto fica claro que não é isso.)




Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.