Pular para o conteúdo principal

Quais são os furos de roteiro da história brasileira?

Inspirado por essa discussão no reddit, aí vão os maiores problemas na história do Brasil:
  • Os furos de roteiro começam já no Tratado de Tordesilhas. Cuméquié? Antes do descobrimento já havia um tratado garantindo as terras para Portugal? Estranho, mas vamos dar um crédito porque os roteiristas estavam começando;
  • A chegada da família real portuguesa caiu meio de paraquedas na história. Entendo como uma tentativa de criar um núcleo rico no folhetim. Funcionou bem e rendeu grandes momentos;
  • A escravidão foi preservada por tanto tempo pelo seu apelo dramático. Vide Raízes, Escrava Isaura.... Os roteirista a mantiveram até ficar muito ridículo mesmo^2 ainda haver escravos no Brasil;
  • O segundo governo Vargas foi uma tentativa de trazer de volta uma personagem que tinha tido sucesso em temporadas anteriores. Não funcionou e aí resolveram tirá-lo da série abruptamente;
  • Jânio foi uma comic relief na história. (Que solução bizarra fazer com que presidente e vice fossem eleitos separadamente!).
  • Doença do Tancredo às vésperas da posse. Pura apelação para ganhar audiência;
  • No Governo Collor assumiram uns roteiristas de novela mexicana, com toques sub-rodrigueanos. Teve até cunhada envolvida. Inventar o câncer do irmão e a longa doença da mãe foi muito forçado mesmo;
  • Recentemente, os roteiristas têm exagerado nos plot twists. Líder sindical de esquerda segue uma política econômica ortodoxa e dá tudo certo. E agora os juízes escolhidos pelo próprio partido mandam as principais lideranças para a cadeia. Reviravolta muito improvável.
Esqueci de algo?

Comentários

Anônimo disse…
Massa!
fábio pesavento disse…
revolução farroupilha ehehehe
Pô, Pesavento, Rev Farroupilha foi um episódio bacana.
O estranho é vcs da província rebelde ainda comemorarem..... a derrota! ;-)
Abraços,
Leeo.
André disse…
Sobre o Tratado de tordesilhas, ele não dividia não só a América, mas o mundo como um todo. Para a Espanha ficava as terras que Colombo havia descoberto (qua na época ainda não se sabia direito que tamanho tinham e até onde iam) e para Portugal ficava a África. Para dividir o mundo os espanhóis e portugueses usaram um meridiando específico, que acreditavam estar no meio do oceano, e depois os portugueses descobriram que no seu lado do meridiando ainda tinha um pedacinho de América. Mas, como tudo na história, não tem como se ter certeza absoluta.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.