Pular para o conteúdo principal

Intergenerational Mobility during the Great Depression, por James Feigenbaum

O job market paper do Feigenbaum (Harvard) é a cara da pesquisa contemporânea em história econômica: muito trabalho de arquivo e computacional para processar microdados. Vi a apresentação dele hoje e fiquei muito impressionado.

Abstract:
Do severe economic downturns increase intergenerational economic mobility by breaking links between generations, or do they instead reduce mobility by limiting opportunity for the young? To answer this question, I estimate rates of intergenerational mobility during the Great Depression for individuals in American cities that experienced downturns of varying severity. I create two new historical samples, digitizing and transcribing archival data on individual earnings and linking fathers to sons before and after the Depression. To build these longitudinal samples, I develop a new machine learning approach to census matching, which enables me to link individuals accurately and efficiently between censuses in the absence of unique identification numbers. I find that the Great Depression lowered intergenerational mobility for sons growing up in cities hit by large downturns. These results are not driven by place-specific mobility differences: for the generation before the Depression, mobility between 1900 and 1920 is unrelated to future downturn intensity. Differential directed migration is a key mechanism to explain my results. Although sons fled distressed cities at similar rates, the sons of richer fathers migrated to locations that had suffered less severe Depression effects. The differences in rates of intergenerational mobility for sons in the most and least Depression-affected cities are comparable to the differences between the United States and Sweden today.

Comentários

Tiago disse…
Existe algum livro ou artigo onde seria possível encontrar uma explicação de como se faz história econômica atualmente?
fábio pesavento disse…
Sim Tiago: Muitas fontes primárias (ou seja horas no arquivo ou lendo documentos digitalizados) mais cliometria!
Valeu!
Veja os papers que eu postei no blog nos últimos meses. Todos eles seguem bem os passos que o Fabio sugeriu.
Abraços,

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.