26/01/2017

A lenda da boa telefonia estatal

Caiu nos meus ouvidos a seguinte narrativa:
"Na primeira metade do sec XX, a telefonia no Brasil era privada e ruim; a estatização a melhorou e a privatização nos anos 90 não fez diferença porque a tecnologia mudou na mesma época. "
Tendo vivido os anos 80, eu lembro da desgraça que era esperar anos e pagar milhares de US$ por uma linha. Esqueçamos as evidências anedóticas. Vejamos as taxas de crescimento linhas fixas/ capita uma década antes e uma década depois da estatização.
  • Privado (1947-1956) 4,8% a.a.;
  • Estatal (1957-1967)  4,0 % a.a.
Ou seja, mesmo quando o setor privado sofria com regulação ruim e tarifas represadas, o ritmo do crescimento foi maior do que na primeira década estatal. Sim, a telefonia privada era ruim, mas a estatização reduziu o ritmo da expansão na primeira década.
No período estatal como um todo (1947-1998): 5,2% a.a. 
Privatização-  1998 e 2002: 16.4%. a.a.
(Depois de 2002, o celular entra com força e o dado de telefone fixo fica estável).
Em suma: a narrativa dos viúvos da Telerj é furada. A estatização dos anos 50 reduziu a velocidade do avanço da telefonia e a privatização dos anos 90 fez toda diferença.
Aí vai o gráfico da relação telefones fixos por 100 pessoas. A área em cinza é o período estatal. 
















Fontes: MoxLAD para 1947- 1997 e World Bank para 1998-2014.
Nota1: Não tenho a mínima ideia do porquê da queda em 1987. Como todo dado, sugero cautela no uso.
Nota2: No período 1907-56, a taxa de crescimento foi 6.3% a.a.


Um comentário:

Fábio disse...

Faltou comparar com a expansão da banda larga, que até hoje é precária na periferia das grandes cidades e interior.