Pular para o conteúdo principal

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Comentários

Anônimo disse…
Que texto belíssimo!
Realmente muito bom. Obrigado por compartilhar o pdf.

Quanto ao debate mais acadêmico que o texto descreve entre as abordagens do Colistete e da Arretche, eu realmente senti falta de a formulação de ambos ser complementada por evidências para uma questão que não é discutida no texto (não sei se é discutida na literatura).

Considerando o ponto de atrito a partir da abordagem defendida pelo Colistete de que uma competição entre as elites locais resultaria num spill over socioeducacional positivo para as massas, a grande questão que precisa ser respondida é sobre a disposição dessas elites realmente disputarem entre si para atender, ainda que minimamente, as demandas da população. Na minha opinião, parece ser uma hipótese mais plausível que, diante de um novo cenário em que as elites teriam ainda mais poder político e econômico, devido ao movimento de descentralização, essas elites locais tenderiam a ter maiores incentivos para compactuarem uma política de café com leite local.

Eu acho que o argumento pela falta de descentralização está subestimando um pouco a capacidade das elites rurais da época de se aliarem, mas para ser sincero, eu realmente desconheço a evidência histórica. Teria realmente que ver, historicamente, essa disposição entre competir ou cooperar das elites locais. Se tiver evidência de que elas eram mais propensas a se esmagarem do que a estabelecerem pactos entre si, eu tenderia a concordar com o
Colistete.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…