Pular para o conteúdo principal

Ferrovias e Desenvolvimento nos EUA

Did Railroads Induce or Follow Economic Growth? Urbanization and Population Growth in the American Midwest, 1850-60
Jeremy Atack, Fred Bateman, Michael Haines, Robert A. Margo escreveram:
For generations of scholars and observers, the "transportation revolution," especially the railroad, has loomed large as a dominant factor in the settlement and development of the United States in the nineteenth century. There has, however, been considerable debate as to whether transportation improvements led economic development or simply followed. Using a newly developed GIS transportation database we examine this issue in the context of the American Midwest, focusing on two indicators of broader economic change, population density and the fraction of population living in urban areas. Our difference in differences estimates (supported by IV robustness checks) strongly suggest that the coming of the railroad had little or no impact upon population densities just as Albert Fishlow concluded some 40 years ago. BUT, our results also imply that the railroad was the "cause" of midwestern urbanization, accounting for more than half of the increase in the fraction of population living in urban areas during the 1850s.

É isso aí. Não me venha com é um-processo-dialético-dinâmico-contraditório-blá-blá-blá. Existe uma causalidade que pode ser avaliada do jeito que os autores fizeram. Enfim, monte de dados históricos + base de dados georreferenciada + econometria= resposta a uma questão interessante.

Comentários

Anônimo disse…
Apesar de eu também não gostar desse blá-blá-blá, acho dificil ignorar que existe uma relação de mão dupla aí.

Antes de continuar com o comentario, confesso que ainda não li o artigo. Mas parece muito interessante.

No mais, achei estraho os autores encontrarem que 1-que o advento de ferrovias tem pouco impacto sobre densidade populacional e , ao mesmo tempo, que 2- as ferrovias foram a causa da urbanização....

De fato, ferrovias afetam muito pouco a densidade populacional ao longo do seu percurso. Seu efeito é maior sobre a área próxima de suas estações.

MAS, como a ferrovia não tem impcato sobre a densidade populacional, mas teve sobre o que foi chamado de 'urbanização'.


Por acaso a urbanização que se consolidou no oeste tinha baixas densidades?
Tudo bem, eu tb compreendo que uma coisa puxa a outro. O que acho chato eh quanto dizem: "eh um processo dialetico e ponto final".

Eu dei soh uma lida rapida, mas me parece o seguinte:
- Eles "soh" pegaram o midwest.
- A logica eh que as estradas trouxeram os carinhas dos counties para as cidades, mas nao foi lah muito responsavel pelo aumento do numeros de caras por county. Pensando bem, faz sentido. A explicacao estah na pagina 27. (note tb que o periodo eh tb soh de 20 anos).
Anônimo disse…
Ok. Vou ver quando der um tempo aqui. No mais, é incrivel como os EUA tem um histórico incrivel* de dados urbanos.

*se comparados com os nossos.
fábio pesavento disse…
este blog tá tri bom!
Valeu, Pesavento!
Anônimo disse…
Mas aposto que a analise nao leva em conta o sofrimento do trabalhador ferroviario explorado na acumulacao primitiva.

"O"

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…