Pular para o conteúdo principal

Prêmio Eço - o candidato de sempre

Marcelo Passos me manda mais uma do Nassif . Prêmio Eço nele!
Os textos do Nassif são realmente de chorar (deve ser por isso que ele toca choro).

Em itálico o texto do Nassif, abaixo, os meus comentários.

“Em cima desses pontos, há questões macro-econômicas relevantes, a serem tratadas. A principal delas é a volta dos déficits no balanço de pagamentos.

As transações correntes (tudo o que entra e sai em dólares fora do mercado financeiro) eram positivas. Ficaram gradativamente negativas, mas o rombo era compensado pelas expectativas de entrada de investimentos externos.

Agora, as projeções do mercado (através da pesquisa Focus) indicam gradativamente um aumento no déficit do balanço de pagamentos. Ou seja, o déficit nas transações correntes não serão compensados pelos investimentos externos.

Esse ponto explica, em parte, as pressões sobre o dólar, mesmo depois que as empresas que tinham especulado com derivativos deixaram de pressionar o mercado.”

Comentários:

O Nassif não descobriu que a palavra “Macroeconomia” é sem hífen e ”questões macroeconômicas” também.

As transações correntes incluem as entradas e saídas em dólares pelo mercado financeiro (no chamado balanço de rendas, entram e saem a remuneração pelo capital de risco – lucros e dividendos; e remuneração pelo capital de empréstimos – os juros).

Outra coisa: no trecho “o déficit nas transações correntes não serão compensados pelos investimentos externos” as regras de concordância verbal foram para o espaço.

Ah, e o dólar não é pressionado pelo déficit nas transações correntes. O balanço comercial é afetado por vários fatores (demanda externa, preço dos bens exportáveis, elasticidades-preços e renda das exportações e das importações etc.) e também pelas variações cambiais. Mas as variações da taxa de câmbio real (ou o dólar, como ele sugere) não são explicadas unicamente pelo déficit em transações correntes, como ele sugere e nem pelo nível de investimentos externos. Além disso, os investimentos externos estão relacionados ao nível de liquidez do sistema financeiro internacional e ao nosso nível de juros reais.

Confúcio estava certo ao dizer que “Estudar sem refletir é inútil e refletir sem estudar é perigoso”.

Nassif tenta refletir, mas não estudou Economia o suficiente para isto.



PS: Mais uma! Eu fui no blog do Nassif e encontrei o seguinte:
"O primeiro deles, o sistema entrópico de consulta, com o BC limitando-se a consultar apenas uma parte do sistema financeiro - aquele mais comumente chamado de mercado."

Entrópico??? Será que as consultas começam organizadas e viram bagunça? Valei-me meu santo Maxwell! Bem, poderia ser um estranho erro de digitação, mas alguém nos comentários estranhou e ele confirmou.

Comentários

Anônimo disse…
Nassif eh um picareta que tomou um pe na bunda da Folha porque fazia jabacule. Todo mundo na imprensa paulista sabe disso.

Que tal parar de prestar atencao nesse cara?
O Nassif eh tao ruim que eu leio apenas para me sentir inteligente. Eh um certo tipo de masoquismo, mas que me faz bem.
George disse…
O leonardo faz uma crítica fundamentada, bem feita e ácida. Ponto para ele. Muito bom seu blog, cara!

Agora, vem um zé ruela repetir o que os desafetos excretam ad nauseam... todos quem, cara-pálida? esse blablablá desqualificador é um saco.
Anônimo disse…
"Agora, vem um zé ruela repetir o que os desafetos excretam ad nauseam... todos quem, cara-pálida? esse blablablá desqualificador é um saco."

Conheco varios jornalistas em SP. A fama do Nassif fazer jabacule eh indiscutivel. Nunca vi um jornalista do ramo defendendo ele.

E mesmo que nao conhecesse a reputacao do Nassif na profissao, a evidencia colocada pelo Chaer, sobre pagamentos para a Dinheiro Vivo coincidindo com materias tecendo loas a estatais eh mais smoking gun impossivel.
Alex disse…
"Entrópico" não quereria dizer "incestuoso"? O vocabulário não é o forte do rapaz
Alex disse…
Lembrei a palavra: acho que ele queria dizer "endogâmico".

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…