Pular para o conteúdo principal

Economistas devem ser odiados

Hayek disse que o Marshall disse:
Students of social science, must fear popular approval: Evil is with
them when all men speak well of them
’.

(Curiosamente, não encontrei a referência precisa da citação. Será que o Hayek fazia como o Keynes, que gostava de inventar citações alheias?)

Comentários

Marcelo Passos disse…
Pode não ser do Marshall, mas a citação é de bom-senso.
Pelo menos, nunca vi um economista popular que fosse realmente bom.
Olha, Leo, vou um pouco mais além: diria que poucos economistas no Brasil sabem ou souberam ser bons críticos e polemistas (o que implica em ir contra a opinião da maioria no momento certo). No Brasil, os únicos bons economistas que souberam remar contra o consenso foram Roberto Campos, Eugênio Gudin, Delfim Netto e Mário Henrique Simonsen.
Os três primeiros se destacam pelo talento retórico (quando escreveram ou falaram), o último se destacava mais pela clareza, pelo rigor e pelas opiniões sempre oportunas e nunca oportunistas.
Uma vez li Simonsen defendendo a implantação da monarquia parlamentarista no Brasil e, mesmo discordando dele, era admirável o rigor de sua análise.
Em comum entre eles, com a exceção do Delfim (que sempre foi mais político), há o fato de terem se posicionado com cuidado em relação as opiniões e modismos heterodoxos que grassavam nos anos 70 e 80.
Furtado, apesar de sua inegável estatura intelectual e capacidade analítica, não tinha muito talento retórico. Também era mais político e endossou algumas práticas de política econômica (que eram bastante populares) e que definitivamente não deram certo no Brasil.
Fora do Brasil, há vários economistas mais críticos e polemistas (no sentido da controvérsia positiva).
Lembro-me de Tullock, Galbraith, Krugman, Stiglitz, Rodrik, Joan Robinson, Friedman etc.
Grande abraço e parabéns pela aprovação no IPEA (primeiro lugar não é para qualquer um...).
Abraço.
Valeu, Marcelo.

Pois eh, mas o que faria o brasil diferente? Isso eu nao sei responder mesmo..
Marcelo Passos disse…
Também não faço a menor idéia.
Só sei que, no Brasil, pessoas críticas e polemistas (no bom sentido) não são bem vistas (embora isto esteja mudando, aos poucos, em parte por influência dos blogs).
Não somos como os franceses, por exemplo, que valorizam o debate.
Abraço e parabéns pela qualidade dos posts.
Pois eh, nos seminarios aqui no brasil todo trabalho eh bonito e maravilhoso. Eu jah segurei minhas criticas construtivas , com medo de que - se eu as fizer apresentados pode achar que eh pessoal. Pois eh, estamos em um equilibrio ruim.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…