Pular para o conteúdo principal

Aglomeração não é problema

No rádio estão todos chocados com o fato de que os 5 maiores municípios geram 1/4 do PIB nacional. Ora bolas, além do problema do MAUP, a produção é aglomerada no mundo inteiro! Fujita e Thisse (2002, p. 2) mostram que cinco prefeituras do Japão produzem 29% do PIB do Leste Asiático, apesar de equivalerem a apenas 0,18% do seu território. Igualmente, a região metropolitana de Paris produz 30% do PIB francês. Isso é muito? Pouco? Sei lá! O fato é que tal aglomeração, por si só, não deve ser vista como um problema.

Comentários

Anaximandros disse…
Leo, tu deves conhecer essa passagem, mas creio que vale a pena reforçar:
"Specifically, when the economy moves from dispersion to agglomeration, the rate of innovation tends to increase. Consequently, if the growth effect triggered by the agglomeration is strong enough, then even those who remain in the periphery will be better off. Hence it can be argued by Rawls' principle that there is no real conflict between growth and equity here, in the sense that all workers are made better off.
It should also be stressed that this Pareto-optimality property does not require any transfer whatsoever: it is a pure outcome of market interaction."
(Masahisa Fujita and Jacques-François Tisse, 2009, p. 116)
Grande S,

Valeu pela citacao. Nao tinha lido esse texto nao. Google e encontrei a referencia. Valeu! Vai para a lista de leituras...
Mas o rolo eh que esse resultado da NEG nao eh garantido, neh? Tou preparando um texto sobre "o que eh problema regional" e esbarrei nas seguintes referencias:
Charlot, S., C. Gaigné, F. Robert-Nicoud, e J. F Thisse. 2006. Agglomeration and welfare: The core–periphery model in the light of Bentham, Kaldor, and Rawls. Journal of Public Economics 90, no. 1-2: 325–347.
Matsuyama, K., e T. Takahashi. 1998. Self-defeating regional concentration. The Review of Economic Studies 65, no. 2: 211–234.
rafael p. disse…
Leo,

como contraponto desse texto, pode valer a pena incluir os estudo do Myrdal e a teoria da causalidade cumulativa.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…