Economias externas, políticas públicas, acaso e calcinhas

Até o meio da década de 1990, Juruaia era um vilarejo cuja principal fonte de renda, o café, amargava um crise. A guinada começou em 1991, quando o então prefeito Rubens Lacerda anunciou na televisão, no país todo, que a cidade ofereceria incentivos para atrair empresas. O resultado ainda não foi o esperado. Apenas um industrial de Goiás, que fabricava calcinhas populares, mudou-se para a cidade. Ele não imaginava que seu modesto negócio acenderia o espírito empreendedor da cidade. A primeira fábrica durou menos de dois anos, mas serviu de exemplo...Juruaia produz cerca de 350 mil peças de lingerie por mês, e (...) se tornou o terceiro maior polo produtor de roupas íntimas femininas do Brasil, atrás de Fortaleza, no Ceará, e Nova Friburgo, no interior do Rio de Janeiro.

Os segredos marshallianos que flutuam no ar:
Além dos produtos fabricados serem, na maioria, destinados a mulheres, elas também controlam cerca de 80% das empresas. Isso cria situações peculiares, principalmente aos olhos de forasteiros. Não é raro uma mulher encontrar outra na rua, mosrtrar a alça do sutiã que usa e dizer: “olha a nova peça que eu criei"!

Um comentário:

... Duilio de Avila Bêrni, disse...

Não está claro para mim se Juruaia é mais ao norte. Ainda assim, já comprei meu bilhete para cruzar o Rio Pelotas o mais cedo possível, ainda hoje.

Tecnologia do Blogger.