Pular para o conteúdo principal

A história recente da América Latina em um gráfico

A variação da desigualdade entre 2000-2006:
A queda na desigualdade foi geral, mas não dá para encontrar um padrão fácil. A Venezuela chavista fez feio, mas a pobre Bolívia do Evo melhorou (tanto quanto o Chile). Ou seja, não dá para contar uma história simples. Os autores atribuem a redução da desigualdade aos avanços educacionais e aos programas de transferência de renda. (Meu chute adicional: a queda disparidade rural/urbano também deve ter sido importante.)

Comentários

Monastério,

A queda das desigualdades salariais entre as metrópoles e os municípios periféricos também importa muito, sobretudo no caso do Brasil. O Paes de Barros tem um estudo sobre isso.

Abraço
Valeu o comentario.
O legal seria saber se isso aconteceu nos outros paises tb.
Vinicius disse…
Pergunta idiota mesmo: se a renda da classe média, por exemplo, for achatada, esse índice mostraria uma "redução da desigualdade"?
aí,Leo: mais uma dica maravilhosa. respondo ao Vinicius: sim, mostraria. estamos falando apenas de "achatamento" e não "redução", não é isto? reduzia o índice(Gini, Theil, Atkinson etc.). e tem mais, se a curva de Lorenz de 2006 não cruzasse a curva do período anterior/2000, concluiríamos que houve aumento generalizado de bem-estar. este é um problema com os índices, mas é uma defesa da argumentação igualitarista.
DdAB
Erik Figueiredo disse…
Olá Leo, Duilio e Vinicius,

Há uma possibilidade da renda da classe média ser achatada e os índices tradicionais não captarem esse movimento.

Imaginem que esse achatamento conduz a um deslocamento da parte inferior da classe média para as camadas mais pobres e da parte superior para as mais ricas. Com isso, a densidade da distribuição se aproximaria de uma bimodal. É possível que isso, preservando a média, não altere o Gini, por exemplo.

Esse é o argumento da literatura relacionada a polarização da renda. Ou seja, é possível que a classe média suma e o Gini nem perceba isso.
Abraços,
Belo papo...
Nao sei se era a preocupacao do Vinicius, mas imagino que o tal achatamento da classe media nao aconteceu de fato no periodo na AL. Nao acham?
Erik Figueiredo disse…
No período em questão acho que não acorreu. Mas temos evidências para a Colômbia e Brasil quando se considera uma horizonte de tempo maior. Principalmente se nele coletarmos informações de antes e de depois da abertura comercial.

O argumento é que a abertura aumenta a demanda por trabalhadores qualificados, aumentando a desigualdade a partir da desigualdade inter grupos. (Os qualificados vão para o topo da distribuição e os não qualificados para baixo, esvaziando o meio).

No longo prazo, esse incentivo faz com que os não qualificados invistam em capital humano migrando para a parte superior da distribuição e deslocando a densidade para a direita.
Arthur disse…
O gráfico não capta parte interessante da dinâmica: o período mais recente.

Seria legal ver como a desigualdade respondeu à crise econômica e se os outros países continuaram acompanhando o Brasil na trajetória de queda da desigualdade.

Quanto ao tal achatamento da classe média que seria uma tendência de longo prazo em algumas economias eu tenho uma conjectura: o achatamento da renda da classe média tradicional nos anos 1980/90 foi fruto da diminuição do peso do setor público na economia e (talvez principalmente) da abertura comercial.

Como o peso do setor público parou de cair e os efeitos da abertura pararam de ser sentidos não creio que isso continue ocorrendo atualmente.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…