Pular para o conteúdo principal

O novo Qualis de Economia

Aqui. Boa notícia: ao contrário de outras áreas, só revistas internacionais levaram A. Continuo tendo orgulho da Economia por isso.
Má notícia: as esquisitices continuaram! E como!



Comentários

Anônimo disse…
Journal of Post Keynesian Economics continua A1 firme e forte!
Anônimo disse…
Pois é... algumas distorções continuam...

Quais outras além do JPKE você achou, Leo?
Anônimo disse…
Pelo visto, publicar no Journal of Economic History é equivalente a publicar na EconomiA (Revista da ANPEC)...

Lamentável.
Anônimo disse…
Essa classificação Qualis gera polêmica desde 19 e guarana com rolha . . . . alguns acham que colocar revistas heterodoxas como A1 é uma ofensa ao bom senso. Em geral se esquecem que se compararmos o fator de impacto das revistas de economia com as outras áreas mesmo a Econometrica tem JCR baixo. O fator de impacto parece a mim, nesses casos, insuficiente, há de haver outras ponderações. No caso dos Journals heterodoxos, há trabalhos que não tem espaço nas revisas mais convencionais, pela própria linha editoral das revistas. Nesses casos algumas revistas heterodoxas como o CJE e o JPKE são os melhores lugares onde se pode publicar.
Anônimo disse…
Como assim é uma boa notícia termos apenas revistas internacionais sendo "qualisada" como A? Pra mim é péssimo, o próprio país não reconhece sua qualidade de produção científica! se pra você ser qualis A é produzir em inglês, então que se produza em inglês em revistas nacionais.
Anonimo, a producao cientifica nacional pode ter como destino os journals gringos. Nada impede. O ponto é que a qualidade, impacto e tudo mais dos journals A é maior do que o dos melhores nacionais. (Outras areas tiveram grade inflation e estao cheias e periodicos A1 nacionais.
(Claro que tem uns A que eu nao tenho nem ideia pq entraram na lista.)
cade o Econometrics Journal?
Márcio Laurini disse…
Pedro e Leo

Em alguns casos eles só colocam o periódico depois de alguém ter publicado nele, o que explica a omissão de algumas revistas.
Anônimo disse…
Então, eu não sei muito sobre isso. Mas eu sei que o qualis Capes é um PÉSSIMO indicativo da qualidade dos journals e isso viesa e muito os incentivos dos pesquisadores.
Eu também sei que o fator de impacto dos journals da economia chega a ser ridículo comparado a outras áreas (um dia eu já vi os fatores de impacto de journals de farmácia e da Nature, por exemplo). Mas eu achava que a maior medida para avaliar a "qualidade" de um journal era o fator de impacto. Teria alguma outra relevante?
Abs.,
Diogo Mendonça.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…