Pular para o conteúdo principal

Por que tem tanta besteira na internet?

Devido à queda  queda dos custos de disseminação da informação.* É sempre assim: a cada choque tecnológico, um monte de gente começa a publicar, uns se ofendem, outros amam, todos chiam e, com o tempo, a poeira assenta e bola para frente.
A queda no preço do papel e a tipografia levaram ao boom da imprensa:

Os poderosos reclamaram. Um monte de intelectuais da Europa moderna puxaram cana ou foram censurados. Então, John Milton, Stuart Mill, Voltaire e turma começaram a longa luta contra a Igreja e o Estado pela liberdade de expressão.
Com o tempo, a liberdade de expressão virou um princípio e as pessoas ficaram insensíveis. Liberaram a impressão de heresia e se pôde falar mal do governo. Ninguém mais se importava taaanto assim. (Claro, trato apenas das democracias liberais)
Aí chegou a internet. Qualquer imbecil pode berrar com custo zero. E -surpresa!- os idiotas berram. E berram  para o globo inteiro. Os choques "culturais" entre os idiotas e os inteligentes geram tragédias, mas também ótimos momentos (Correa X John Oliver).
Minha previsão: com o tempo, vamos nos acostumar que sempre haverá algo ofensivo na web. Alguém vai sempre ofender tua política econômica preferida, religião ou gosto musical.  Os calos emocionais se formarão e menos e menos gente se incomodará.**
Enfim: como disse o filósofo J Rodrigues: "Deixa que dizem, que pensem, que falem."

*Nota: esta hipótese não entra em choque, eu acho, com a minha teoria anterior.
**Ou então os filtros de inteligência artificial nos protegerão da estupidez alheia.

Comentários

Boa! Acho que um risco real da gente se acostumar com asneira na internet eh nao se incomodar em colocaar nossa propria opiniao e discodar quando ve algo bizarro (para nosso ponto de vista, claro). Daih nos tiramos do debate publico de certa maneira... Tah ok, comentarios de internet sao um pessimo espaco para debate publico (soh o Leo deve ter lido esse comentario ateh aqui). Mas enfim, se acostumar com besteira na internet e se eximir pode contribuir para a besteira perpetuar.A essa altura, eu ja nao sei pq perdi tanto tempo escrevendo esse comentario.
Rs rs rs.
Abração!
Anônimo disse…
O que me intriga é o efeito que as besteiras na internet têm no debate e nas ações reais. Hora ou outra, mesmo quem evita cair nas besteiras acaba se acostumando a ler, e acaba se sentindo pouco desafiado nas suas posições olhando os imbecis do outro lado.
Anônimo disse…
No caso, eu vejo muita gente inteligente das mais variadas posições compartilhando asneiras dos imbecis com posições contrárias.

Além de todo mundo ter o palhaço alheio do qual rir, ainda perde-se tempo tentando justificar que algo é válido apesar dos idiotas que defendem de forma caricata.

Enfim.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.