Pular para o conteúdo principal

O indicador "Doing business" presta?

Sim. Antes de tudo, todo indicador composto - como o IDH, ou o Doing Business- tem um problema básico: é redundante ou enganoso. Como os índices combinam diferentes medidas, se todas andam na mesma direção, o indicador é redundante. Agora, se umas apontam para um lado e outras para outro, a medida é enganosa, pois oculta a variação das medidas que compõem o índice. Enfim, os indicadores compostos  devem ser digeridos com cuidado, mas têm seu valor.

O ótimo texto do Hallward-Driemeier e Pritchett mostra que não há correlação entre o Doing Business (DB) e a Enterprise Surveys (ES). O WSJ divulgou isso com alarde, mas não há razão para espanto. Afinal, o DB mede as dificuldade para negócios no papel, enquanto ES, as dificuldades efetivas que as empresas enfrentam. O artigo mostra bem que, quando existe muita regulamentação e os governos são ruins, a variação nas diferenças entre as empresas é imensa. Os amigos do rei contornam a regulamentação com facilidade, outros têm que enfrentá-la.

[Um ponto pouco explorado no artigo: os dados do ES sofrem de viés de seleção. Você só sabe das empresas que existem. Obviamente, as que deixaram de ser abertas pela burocracia excessiva não estão na amostra e a competição (observada ou potencial) é menos acirrada.   Esse é  o verdadeiro custo da burocracia excessiva].

Deixo vocês com o ótimo parágrafo de fim do texto:
With weak institutions, the risks of available discretion being abused for rent-seeking and directly unproductive activities are very real, as in the classic critique of Krueger (1974). There is nothing inherently contradictory about believing that industrial policy, if one could implement it well, would accelerate growth but also believing that most countries, and especially those that most need growth, lack the wherewithal for policy implementation. This possibility then raises the question of whether or under what conditions it is possible to devise “institutionally robust” industrial policies that can be implemented even when overall institutions are weak (Hausmann and Rodrik 2006; Rodrik 2008, 2009)

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.