Pular para o conteúdo principal

Diversos


Comentários

Eu adorei o Guia, mas fosse ele tão ruim quanto a Haylane diz, como ele poderia ser bom para fogueira sendo um ebook?
Obrigado!
Pois é. Nem para a fogueira o livro serve!

Na Amazon tem um cara que deu 2 estrelas e diz: "Só vale a pena ler 1 vez". Ora diabos, a maior parte dos livros não vale a pena ler nem 3 capítulos!
Olá, tem algum e-mail que eu possa conversar com vc?


João Filippe Rossi Rodrigues

Coordenador Local Sênior dos Estudantes pela Liberdade
Caro João Filippe,

leonardo ponto monasterio arroba gmail

abraços,
Leo
Sobre a 'hipocrisia da esquerda' (e o video no youtube que o artigo menciona), nao eh demais lembrar que a defesa de politicas de protecao social e redistribuicao de renda nao sao exclusividade dos socialistas. Isso eh uma das ideias consensuais entre liberais como forma de promover justica social em regimes democraticos (digo Liberais como Rawls, Dworkin, Sen, etc - bem diferente de libertarios). A base filosofica liberal (particularmente to Rawls) me parece bem coerente com o imperativo categorico, eh a favor de redistribuicao e nao me parece nada hipocrita. Enfim, eh possivel defender redistribuicao/politicas sociais sem perder a coerencia e sem ser hipocrita.
Rafael,

Eu entendo hipocrisia como o descolamento entre o discurso e o comportamento. Não é um conflito a partir do choque de ideias contraditórias. (Um nazi que casa com uma judia é hipócrita - além de um escroto por ser nazi).
É possível então que um ladrão de bolsa família seja rawlsiano nas políticas públicas sem ser hipócrita? Eu acho que não. (se vc me apertar nesses conceitos, eu abandono o debate pq não tenho preparo para tanto).

Abraços,
Leo.
Anônimo disse…
A relação de caridade é uma relação de dominação de quem doa pra quem recebe. A desapropriação arbitrária de apenas Fulano é roubo. A redistribuição do produto social dentro de uma sociedade democrática é justamente uma forma de diminuir a relação de dominação entre o mais rico e o mais pobre. Obviamente, a esquerda defende a terceira apenas.

Eu defendo que se aumente radicalmente impostos sobre renda, propriedade, que se acabe com diversos privilégios das classes A e B. Seria prejudicado pessoalmente, mas se todo mundo estiver na barca acho ótimo. Agora, eu não vou ser o trouxa que dá meu dinheiro e fica pobre voluntariamente enquanto outros com muito menos "mérito" na forma como se tornaram ricos e muito mais capacidade de contribuir do que eu seguem mandando seu dinheiro pra Suíça (sonegando, claro).

Também acho que existe um limite na "moralidade", que não tem como definir concretamente, em uma pessoa de esquerda buscar enriquecer, esbanjar e manter um discurso de distribuição sem fazer nada por isso.

Uma hipocrisia comum da esquerda de classe A e B é que o esquerdismo superficial de muitos se enfraquece quando os próprios interesses de classe, corporativistas, etc estão em jogo. Mas isso não deslegitima, pelo contrário, só confirma a tese de que o importante não é atacar fulano ou beltrano e sim a relação de poder que permeia a interação social deles, independente da simpatia que tenham um pelo outro. Enfim.
Anônimo disse…
(só completando)

Inclusive, nesse último parágrafo, digo que muito do esquerdismo de classe A e B tem um componente de dominação e superioridade parecido com a relação de caridade, em que alguém com poder e dinheiro sente "pena" do pobre, ao mesmo tempo que se acha "esclarecido" para resolver seus problemas, e por isso se vê como moralmente superior aos colegas de classe "insensíveis". A hipocrisia da esquerda, pra mim, é mais forte justamente quando se aproxima de um sentimento de caridade e se afasta de um combate estrutural a relações assimétricas de poder.
Anônimo disse…
Leo,

Gostei muito da sua indicação no Twitter do podcast "A point of view" da BBC. E fuxicando seu blog, vi que você indicou um outro da NPR, o dos "netos" do Keynes.

Adoraria que, se tivesse tempo, compartilha-se alguns dos podcasts que você segue, pois outro dia li o post do Bruno de Moura e ele deu ótimas dicas:

https://medium.com/@borgesbm/algumas-dicas-sobre-podcasts-253af572efe2

Grande e abraço e parabéns pelo conteúdo!

Jorge
Anônimo disse…
"Compartilhasse", Jesus Cristo! =)

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.