Pular para o conteúdo principal

Jornalismo de dados é insuficiente (continuação)

O post anterior rendeu respostas da Tai Nalon e do Sergio Spagnuolo, que trabalham no AosFatos.
  1. Antes de tudo, eu só critico o Aos Fatos só  porque admiro o esforço e  os objetivos do projeto; 
  2. Tai Nalon, as bases utilizadas no estudo não são as mesmas. Ambas tem como fonte a Rais, mas Stein et al usaram a base da Rais identificada (também chamada de Rais-Migra) que tem os dados completos do indivíduo e do vínculo empregatício. Isso permite seguir o mesmo trabalhador a cada ano. Já o Dieese usou os dados agregados da Rais (de forma irresponsável). 
  3. O problema não é falta de dados. A Rais identificada é uma base de 70 milhões de observações por ano que permite resolver problemas empíricos bastante complicados. (A propósito, o método de identificação dos terceirizados feito por Stein et al é apropriado, na minha opinião) 
  4. Sérgio apontou que todo mundo erra, inclusive o Ipea. Ele não precisava citar artigos dos meus colegas de trabalho. Poderia citar os meus erros. Veja aqui aqui duas lambanças que eu mesmo fiz, identifiquei e corrigi. Imagine quantos erros eu devo ter deixado passar?! Além desses erros triviais, devo ter cometido muitos outros metodológicos. Contudo, isso é diferente de escrever um trabalho não-científico. Seria como comparar um erros de um astrônomo com um de um astrólogo. (Um astrólogo nunca erra, pois a astrologia já é um erro em si )  
  5.  Aí vai o meu ponto: eu não espero que jornalistas saibam dessas manhas da pesquisa empírica e das bases de dados. O meu ponto é que vocês deveriam ter o apoio de pesquisadores antes de equiparar o panfleto do Dieese e o trabalho de Stein et al. Ora, os leitores vão ao site do AosFatos pela credibilidade que vocês têm. Se o conceito de "Verdadeiro" passa a significar "há um estudo que afirma", qualquer coisa é válida porque sempre existe um estudo mal feito para ser citado. No site vocês dizem que "Verdadeiro" significa "declaração condizente com os fatos e que não carece de contextualização." O panfleto do Dieese não se enquadra na categoria. Um economista, sociólogo quant ou demógrafo bem treinado teria percebido isso imediatamente.
  6. Se a ideia do AosFatos for reproduzir as conclusões de estudos não importando sua qualidade, então sugiro que vocês explicitem isso para o leitor. Se for checar a veracidade das afirmações de políticos e autoridades, aí eu os congratulo porque é disso que o debate público precisa.

Comentários

Anônimo disse…
Léo violando a lei de monastério, tsc, tsc, having said that deu até pena...peraí já passou

É de sua autoria "Um astrólogo nunca erra, pois a astrologia já é um erro em si "? Genial!
Valeu! A frase é minha (eu acho).
fábio pesavento disse…
Um astrólogo nunca erra, pois a astrologia já é um erro em si
AHAHAHAHAHAH

twitter please!
Eduardo Tillmann disse…
Muito bom!! E realmente, a astrologia já é um erro em si foi demais! hahaha
O Finado Brazilfinance disse…
Lembrei de voce, Léo hahahahah http://m.folha.uol.com.br/mercado/2017/04/1873088-astrologo-atrai-investidores-com-mapa-astral-da-economia.shtml

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.