Pular para o conteúdo principal

Pesquisa Empírica 9 X Teoria 1

Enquanto no Brasil se brinca de que existem várias "escolas de pensamento econômico" (que termo horrível!),  no resto do mundo ninguém gasta saliva com isso. O negócio é analisar o dados e não há essa de se identificar como "neoclássico", "neo-desenvolvimentista" ou ˜schumpeteriano-flamenguista-vegan".
E essa tendência ficou ainda mais forte nas últimas décadas. Vejam lá: nas áreas de Economia Internacional e Desenvolvimento Econômico, a participação dos trabalhos empíricos passou de 60% para mais de 90% de trabalhos empíricos. O trabalho completo está aqui (pdf).


PS. "Ah, mas a pesquisa empírica está cheia de ideologia." dirá um chato. Eu sei. Sei também que toda bebida contém água. Mas existe uma diferença grande entre laranjada e vodka.

Comentários

morador do sol disse…
Os economistas estão muito cindidos no Brasil, há muita tensão nas faculdades, nos bancos escolares. Quero denunciar a prática de uma pressão sobre os calouros para que se enquadrarem, tão cedo quanto possível, em alguma corrente ideológica, já desde os tenros anos do curso.
Quanto desperdício ter que se definir como heterodoxo ou neoclássico já tão cedo, pois significa limitar o aprendizado (ir a uma palestra, carregar um livro) por medo do julgamento do grupo, por estar se “misturando”.
Nos mestrados, os mesmos scripts se repetem, pelo menos nos ruins (não conheço os outros).
Nos presídios, os antropólogos definem a existência de gangues como estratégia defensiva do sujeito frente ao ambiente. O indivíduo aufere a ganhos de proteção física, estando numa gangue, bem como recompensas psicológicas de reconhecimento e visibilidade social pelos pares. Cada gangue por sua vez encerra uma sub-economia de trocas (não só cigarro, mas Jornais e Revistas) que fica fortalecida com mais um membro.
Apenas observe as semelhanças...Ainda que ninguém irá te bater na faculdade por ser hetero/orto (doxo), assim mesmo pode haver muita exclusão e outras violências como maledicência, envio de nudes e etc
Mas a culpa primordial é dos professores, que ao fim e ao cabo, são os que estimulam o processo de cooptação e "catequese" de novos "soldados".
agradeço o comentário. O negócio e não levar isso tudo tanto a sério...
Abraços,
Leo

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.