Pular para o conteúdo principal

Livros-texto de Nova Geografia Econômica

  • Krugman, Venables and Fujita. The Spatial Economy: Dizem que é bom. Infelizmente, eu não consigo entender. Guardar na pilha "Livros que finjo ter lido". (Foi publicado em Português pela Editora Futura. Ficou mais incompreensível ainda. Que prejuízo devem ter tido!)
  • Fujita and Thisse. Economics of Agglomeration: Mais fácil do que Spatial Economy, mas ainda sofisticado demais frente as minhas limitações técnicas. Além disso, não é muito abrangente e não cobre as questões empíricas relacionadas com a NEG.
  • Baldwin et al. Economic Geography and Public Policy: Impressionante. Eles simplificaram os modelos da Nova Geografia Econômica, fazendo-os tratáveis e passíveis de serem utilizados para examinar políticas públicas.
  • Brakman et al. An Introduction to Geographical Economics: Perfeito. Nem tão difícil, nem tão fácil. Abrangente, trata das questões teóricas e empíricas . Sugiro como o primeiro passo para quem estiver interessado em aprender NEG. Altamente recomendado.

Alguma outra sugestão?

Comentários

Olá Monastério!

To tentando aplicar a Lei de Verdoorn ampliada para a industria de transformação brasileira. Fingleton (2001,2004) testou a lei da regiões da UE e utilizou como determinantes do crescimento da produtividade elementos da teoria do crescimento endógeno e da NEG.

Particularmente, naum entendi muita coisa sobre Spatial Economic. O que vc acha, sugeres algum artigo ?

André Luiz
Caro André,
O melhor mesmo eh vc ir para o livro do Brakman para NEG
Se o teu interesse eh apenas lei de verdoorn, aih eu nao tenho nenhuma recomendacao especifica.
Boa sorte!
Anônimo disse…
oi Monasterio,
Qual seu endereço? Vou te encaminhar um exemplar do livro Analise Regional.

att

Jandir Ferrera de Lima
UNIOESTE
Jandir,
Muito obrigado! por favor, mande para:
Endereço: Setor Bancário Sul, Quadra 1, Edifício BNDES, sala 721
Brasília-DF
70076-900
Novamente, valeu!
Abraços,
Leo

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…