Pular para o conteúdo principal

Enquete: o melhor título de paper

Eu esbarrei no "Poor, Hungry and Stupid: Numeracy and the Impact of High Food Prices in Industrializing Britain, 1780-1850" e me lembrei da importância de um bom título. Um daqueles que te obrigua a ler o paper. De cabeça, tenho dois candidatos: "I just ran two million regressions" e o ótimo "Das Human Kapital". Sugestões?

Comentários

Esse é bom também:

Extracurricular School Activities: The Good, the Bad, and the Nonlinear.

É uma referência ao filme: The Good, The Bad and The Ugly, com Clint Eastwood. E tem uma trilha sonora também que toca no início do CD dos Ramones, Loco Live.

Achei muito bom.

Segue o link:
http://eric.ed.gov/ERICWebPortal/recordDetail?accno=EJ660385

Abraco!
Otimo titulo!


(Veja no comentario deste post - no blog em ingels0- a historia hilaria do B Gilbert).
Anônimo disse…
PPP Strikes Back: Aggregation and the Real Exchange Rate

Death to the Log-Linearized Consumption euler Equation! (And Very Poor Health to the Second-Order Approximation)
Anonimo, excelentes titulos. Nao conhecia os papers.
NPTO disse…
Coase Encounters of the Third Degree, do Mark Granovetter (eu acho)
"Coase encounters..." está na fronteira. Se fosse eu que tivesse pensado, eu acharia otimo. Mas eh quase um trocadilho infame...
abracos,
leo

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.