Pular para o conteúdo principal

A verdadeira doença hollandesa

As questões de finanças públicas da  entrevista do Secretário de Política Econômica à Juliana Rosa já foram criticadas pelo Mansueto com a excelência habitual. Eu acrescento dois pontos questionáveis da visão hollandesa.

1- IPI, o abusado:

Ele disse (15:20):

"Quando algum setor acumula estoques é importante que o governo fique atento a isso. A fase seguinte é a redução da produção, férias, parada técnica, férias coletivas e depois demissão. É preciso estimular a desova desses estoques em setores importantes da economia... Esses tributos são usados para controle de atividade econômica de curto-prazo. Flutuações um, dois, três meses é feito algum tipo de alteração no tributo."
O IPI é regulatório, mas não deve ser o instrumento para controlar estoques de setores no curto-prazo. 
Eu nem vou entrar na discussão dos efeitos das isenções sobre as finanças estaduais e municipais. O que me assombra é, primeiro, almejar esse micro-controle da economia (imagine as oportunidades de rent-seeking que isso abre!). Em segundo lugar, essa prática, mesmo se possível, congelaria a estrutura setorial da economia. Sem mudança estrutural, não há desenvolvimento econômico.

2- Câmbio, o incompreendido:

Em certo momento (29:40), o secretário afirma:
"Um câmbio mais competitivo é sempre bom para o médio e longo prazo."
Mas em outro momento (8:15), ele disse em tom celebratório:
"Hoje a família brasileira consome (...) internet, celular, smartphones, IPh.. tablets e diversos."
As pessoas tiveram acesso a esses bens importados devido ao câmbio valorizado (e a despeito das tarifas de importação). Não dá para ver que a segunda frase é a evidência empírica que nega a primeira?

Comentários

"O" Anonimo disse…
O comentário do Holland sobre o IPI é assustador. Eu acho difícil de acreditar que um pais que consiga oferecer esgoto e água encanada para mais da metade da população de sua capital possa ter uma política econômica tão amadora.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.