Pular para o conteúdo principal

Brasília não é uma cidade planejada

Veja a Vila Planalto. Fica no Plano Piloto, a menos de  2 km do Palácio do Planalto e a 3 km do Alvorada. Completamente fora do plano inicial, o bairro é tão antigo quanto a cidade e só agora foi regularizado.  Já está rolando a gentrificação e surgiu um pólo de restaurantes bem bonzinho. Alguns são um pouco sobrevalorizados, mas valem a pena conhecer. O Tia Zélia rende um paper de Sociologia.
Outras ilegalidades tornam a cidade bem melhor do que os planejadores gostariam. São barraquinhas, varandas, restaurantes, hotéis e casas irregulares.
A moral da história é muito velha. O microplanejamento não dá certo. Ou melhor, ele dá certo - em sentido mais profundo - justamente porque não alcança seus objetivos. Os esforços de contornar ou confrontar o plano são o mais legal da cidade.

Comentários

Adam disse…
Olá, Leonardo.

Às vezes, acho que planejamento de cidade é como democracia. É uma farsa que não dá certo, mas de todas as alternativas, que também não dão certo, é a que falha da melhor maneira...

A propósito, outra reapropriação notável de Brasília são as quitinetes em áreas comerciais que, até onde me consta, não foram planejadas para isto e mudam bastante a demografia do Plano Piloto. Talvez mereça até algum estudo aliás, teve uma exposição sobre isso: http://www.unb.br/noticias/unbagencia/cpmod.php?id=93859 http://divirta-se.correioweb.com.br/materias.htm?materia=18654&secao=Programe-se&data=20130204

Até!

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.