Pular para o conteúdo principal

O que faz o historiador econômico?


O desenho está no artigo Economics and the Modern Economic Historian, que sairá no Journal of Economic History. O texto é ótimo e mostra como a História Econômica entrou na moda. Na verdade, seu autor, Ran Abramitzky, é um bem representativo: ele publicou nos melhores journals e é uma das estrelas do departamento de Economia de Stanford.
O gráfico abaixo mostra como têm aumentado o número de papers sobre história econômica nos journals top-five de Economia nos último anos:


Comentários

Tiago disse…
Bom dia Monasterio,

Para um aluno de graduação, interessado em história econômica e com pretensões de seguir carreira acadêmica, você faria alguma sugestão de leituras ou matérias onde ele deveria ter um bom domínio?
Legal você estar interessado. Teria como você ser mais específico sobre época e local de interesse? Você lê em inglês?
Abraços
Legal você estar interessado. Teria como você ser mais específico sobre época e local de interesse? Você lê em inglês?
Abraços
Tiago disse…
Bom dia. Sim, eu leio bem em inglês.
Eu tenho muito interesse por questões como origem a origem de instituições que permitem comércio e sobre formação econômica do Brasil. Em geral o meu interesse sempre cai nessa questão de instituições mesmo.
Obrigado pela prestatividade.
Sobre as origens das instituições e comércio, eu sugiro os textos do Avner Greif:
Greif, Avner. "Contract enforceability and economic institutions in early trade: The Maghribi traders' coalition." The American economic review (1993): 525-548.
Greif, Avner. Institutions and the path to the modern economy: Lessons from medieval trade. Cambridge University Press, 2006

Mas o que eu gosto mesmo é um que não é de economista:
http://www.amazon.com/The-Company-Strangers-Natural-Economic/dp/0691146462

Pô, FEB é um tema imenso! Sugiro que vc procure o programa de disciplina do Renato Colistete ou do Bernardo Mueller que lá vc terá as referências já organizadas.


Tiago disse…
Obrigadão. Seu blog é muito bom.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.