Pular para o conteúdo principal

Federalismo implica estado menor?

Tem liberal que justifica o apoio a movimentos de secessão/emancipação com o argumento que isto contribuiria para controlar o tamanho do estado. Maior competição entre unidades limitaria as lambanças do governo.
O argumento faz sentido, mas não é garantido que o resultado será menos estado:
  • Ao ajustar a provisão de bens públicos às preferências locais, é possível que os eleitores votem por mais bem públicos; 
  • Além disso, descentralização pode levar a menores economias de escala na provisão de bens públicos e, portanto, a impostos maiores;
  • Mais ainda, segundo Wallis, como indivíduos têm mais poder na esfera local, eles tendem a atribuir mais responsabilidades ao setor público.
Eu tirei esses argumentos da minha cachola? Não, está tudo nesse ótimo texto do Oates, o cara que inventou a teoria econômica do federalismo fiscal:
OATES, Wallace E. Searching for Leviathan: An Empirical Study The American Economic Review, Vol. 75, No. 4. (Sep., 1985), pp. 748-757.

Comentários

Claudio disse…
Pois é. Recomendo os trabalhos de Weingast e McKinnon (este último, falecido) sobre "market preserving federalism". Aí se tem uma pista de um federalismo desenhado para "dar certo", por assim dizer. Minha única chateação é que vai ter liberal-fanático acusando o Leo de "dar peso muito grande para a economia esquecendo-se do restante". Ironicamente, vários desses liberais dizem amar Mises que escreveu um livro (sic) chamado (sic mesmo) "Ação Humana".
Shikida, eu tenho quase certeza que o resultado do Oates se mantém mesmo com market preserving federalism (no Public Choice III tem a apresentação gráfica).
Cara, o que me incomoda quando dizem que "dou peso demais à economia" é que, geralmente, o que querem colocar no lugar são fantasias, xenofobia e preconceito. Enfim, ser humano é tão escroto que só pensar em $ é um avanço.
Clóvis Menezes Filho disse…
Olá Leo tudo bem? Quanto tempo! Parabéns pelo novo blog e pela excelente postagem. Tenho uma dúvida, porém: o senhor advoga pelo modelo federalista ou pele modelo centralizado? Eu pessoalmente sempre fui a favor de um estado menor mas centralizado, pois sempre fui cético com o federalismo à brasileira
ABS do admirador,
Clóvis
Caro Clovis,
Obrigado pela gentis palavras.
Olha, para pais grande, eu acho o federalismo uma boa ideia. O Brasileiro é meio indefensável pq tem distorção em cima de distorção. Em tudo quanto é texto, ele é o exemplo de federalismo disfuncional. Está bem longe do tal market preserving federalism que o Shikida falou.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.