Pular para o conteúdo principal

Madri - primeiras impressões

Alguém disse que o especialista em um país é alguém que ficou ou 3 dias ou 10 anos. Como eu estou saindo da primeira categoria, aí vão os meus pitacos:
  • Os serviços funcionam bem em Madrid. Abrir conta no banco foi moleza e as pessoas são prestativas e diretas;
  • Sem ligar a televisão, é impossível perceber sinais  de crise. Lojas cheias, decoração natalina e restaurantes entupidos de espanhóis (Não sei se são turistas visitando a capital);
  • Corte de cabelo por 6 euros. Eu nem precisava ter cortado o pouco que me resta em Brasília. Isso é estranho: os preços relativos estão próximos dos brasilienses. Por Balassa-Samuelson, os serviços aqui deveriam custar mais caro do que as manufaturados. No olho, isso não está rolando. Sinal da crise aqui e do crescimento recente do Brasil?*
  • Para uma cidade latina, Madri é bem silenciosa.
* Atualização: quando eu fiz o post, eu comi mosca e não me lembrei que um câmbio sobrevalorizado também muda os preços relativos internamente.

Comentários

Anônimo disse…
Os preços são sinal de apreciação do real mesmo.
Desenvolva, por favor.
Drunkeynesian disse…
Saudades daí. Não lembrava de serviços serem tão baratos.

Tem um bar excelente de cerveja belga atrás da Praça Real, se não me engano do lado do clássico Sobrino de Botín (e de outro restaurante com uma placa genial que diz "HEMINGWAY NEVER ATE HERE"). Quer dizer, tinha em 2005... Era a salvação pra variar um pouco das San Miguel.
Alejandro disse…
Leo,

6€ para um corte de cabelo na Espanha é muito barato mesmo. Era num bairro com maioria de imigrantes? Madri é uma cidade bem mais cara do que Sevilha, e aqui você não acha facilmente esse serviço por menos de 8-9€.
Anônimo disse…
Leo,
Estou vendo que você está curtindo Madrid... é uma cidade que pretendo rever em 2012. Sobre o custo de vida em Madrid, olha essa matéria recente no blog do Fernando Graziani:

http://blog.opovo.com.br/gol/madrilenas-parte-10-poder-de-compra/

Abraços
Bizarria
Respondendo...


Pensando melhor, de fato, o câmbio sobrevalorizado tb muda os preços relativos internos. Eu desconsiderei isso quando escrevi o post.

O preço do corte de cabelo de fato foi visto em Lavapíes, uma vizinhança de imigrantes, perto de onde moro. Era uma barbearia bem mequetrefe, mas parecida com os buracos que busco em BSB.

Drunkeynesian, valeu pela dica. Eu já fui no Sobrino e achei o restaurante superestimado. Valeu pela dica da cervejaria.
Caro Bizarria,
Muito obrigado pela dica! A reportagem está correta, os preços são esses mesmo...
Abraços
Anônimo disse…
Isso! Non-tradables são afetados pelo câmbio sobrevalorizado, enquanto tradables não são, ao menos em tese.
Mas corte de cabelo na Europa ainda é muito mais caro que no Brasil, é difícil achar por menos de R$ 40. Já hotéis e restaurantes, aqui está até mais caro que aí.
Drunkeynesian disse…
Achei, é esse aqui (a Praça não é Real, é Maior, e é perto, mas não do lado do Botin).

http://beeradvocate.com/beer/profile/15097
Valeu a dica! Abracos!

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…