Quando proteger a indústria?

- Quando a indústria for nascente, porque ela é nascente.
- Quando a indústria for madura. Pois é preciso preservar os empregos;
- Quando a indústria for decadente. E deixar que se perca tamanho know-how acumulado no setor?
- Quando os termos de troca forem desfavoráreis. Afinal, só com a indústria fugiremos da tendência secular da deterioração dos termos de troca;
- Quando os termos de troca forem favoráveis. Ora,  é preciso combater a doença holandesa e, além disso, a maré pode virar;
- Se o desemprego estiver alto, devido ao efeito multiplicador da atividade manufatureira;
- Se o desemprego estiver baixo, para reduzir os custos e a pressão sobre a inflação;
- Se der praia no final de semana;
- Se não der praia.

10 comentários:

fábio pesavento disse...

se não for dar onda!

... DdAB - Duilio de Avila Bêrni, ... disse...

e enquanto o lobby dos diretores de escola, dos diretores de presídios, dos chefes de postos de saúde se mantiverem rastejantes.
DdAB

Anônimo disse...

Leonardo, bom dia!

Leio o seu blog e gosto do conteúdo. Mas, às vezes, vc exagera na arrogância como o Alexandre (mão invisível). Se isso virar rotina, perde o charme.

Bom fim de semana.

Anônimo disse...

O humor é a melhor forma de tocar em pontos polêmicos.

Ignore os conselhos dos supostos admiradores que, na verdade, gostariam que você concordasse com eles.

A melhor forma de estragar um blog é sendo politicamente correto e contemporizar demais.

Tão querendo que você pague um pedágio por pensar diferente. Patrulha xarope!

Anônimo disse...

Tem uma reunião na CNI para malhar o Judas. Você e o Alex estão convidados.

Dawran Numida disse...

Bem, depois de ler a entrevista da Fazenda, dada ao jornal FSP, dia 27/05/2012, falar em malhar o judas seria mero estilo de retórica.

Clóvis Menezes Filho disse...

Olá Leo Monastério, boa tarde!! Falando em discussões, lembrei de uma a qual fiquei sabendo outro dia... era sobre a contestação do teoria austríaca da impossibilidade de cálculo num sistema planificado do Hayek e Mises. Leo, o que o senhor acha da teoria da impossibilidade? Ela ficou defasada como dizem seus críticos?

Abraços do seu fã

Clóvis Menezes Filho

Leonardo Monasterio disse...

Olá Clóvis,

Obrigado pela gentis palavras.
Cara, qual foi a contestação recente do Hayek e Mises? Não conheço mesmo. Eu achava que essa discussão já tinha morrido já com o Oscar Lange e cia. Fico no aguardo.
Abraços,
leo.

Clóvis Menezes Filho disse...

Olá Leo Monastério, desculpe demorar.... não achava o post... eu ia perguntar em outro, mas não sei o que aconteceu que caiu nesse, desculpe o erro e a demora.
Enfim, essa discussão a qual me referi na verdade foi um debate ocorrido na FIPE sobre sobre a evolução do pensamento econômico... já faz alguns anos e um dos tópicos foi essa teoria do Hayek e Mises, que foi contestada pelo Oskar Lange, minha pergunta foi justamente se essa teoria antiga do Hayek e Mises, levantada nesse debate, foi morta pelo Lange ou ainda tem respeitabilidade acadêmica...

Desculpe a demora e parabéns pelo post do Baile da Ilha Fiscal, ficou sensacional!
Abraços,
Clóvis Menezes Filho

Leonardo Monasterio disse...

Olá Clovis,

Obrigado pelas gentis palavras. Olha só, Lange era um baita economista, mas- até onde eu sei - Hayek ganhou fácil. Eu acho "The use of knowledge in Society" um dos melhores artigos que já li. Você não precisa ter que acreditar em todo o pacote austríaco (cheio de maluquice) para aceitar que eles ganharam essa.
Abraços,
Leo.

Tecnologia do Blogger.