Pular para o conteúdo principal

Quando proteger a indústria?

- Quando a indústria for nascente, porque ela é nascente.
- Quando a indústria for madura. Pois é preciso preservar os empregos;
- Quando a indústria for decadente. E deixar que se perca tamanho know-how acumulado no setor?
- Quando os termos de troca forem desfavoráreis. Afinal, só com a indústria fugiremos da tendência secular da deterioração dos termos de troca;
- Quando os termos de troca forem favoráveis. Ora,  é preciso combater a doença holandesa e, além disso, a maré pode virar;
- Se o desemprego estiver alto, devido ao efeito multiplicador da atividade manufatureira;
- Se o desemprego estiver baixo, para reduzir os custos e a pressão sobre a inflação;
- Se der praia no final de semana;
- Se não der praia.

Comentários

fábio pesavento disse…
se não for dar onda!
e enquanto o lobby dos diretores de escola, dos diretores de presídios, dos chefes de postos de saúde se mantiverem rastejantes.
DdAB
Anônimo disse…
Leonardo, bom dia!

Leio o seu blog e gosto do conteúdo. Mas, às vezes, vc exagera na arrogância como o Alexandre (mão invisível). Se isso virar rotina, perde o charme.

Bom fim de semana.
Anônimo disse…
O humor é a melhor forma de tocar em pontos polêmicos.

Ignore os conselhos dos supostos admiradores que, na verdade, gostariam que você concordasse com eles.

A melhor forma de estragar um blog é sendo politicamente correto e contemporizar demais.

Tão querendo que você pague um pedágio por pensar diferente. Patrulha xarope!
Anônimo disse…
Tem uma reunião na CNI para malhar o Judas. Você e o Alex estão convidados.
Dawran Numida disse…
Bem, depois de ler a entrevista da Fazenda, dada ao jornal FSP, dia 27/05/2012, falar em malhar o judas seria mero estilo de retórica.
Olá Leo Monastério, boa tarde!! Falando em discussões, lembrei de uma a qual fiquei sabendo outro dia... era sobre a contestação do teoria austríaca da impossibilidade de cálculo num sistema planificado do Hayek e Mises. Leo, o que o senhor acha da teoria da impossibilidade? Ela ficou defasada como dizem seus críticos?

Abraços do seu fã

Clóvis Menezes Filho
Olá Clóvis,

Obrigado pela gentis palavras.
Cara, qual foi a contestação recente do Hayek e Mises? Não conheço mesmo. Eu achava que essa discussão já tinha morrido já com o Oscar Lange e cia. Fico no aguardo.
Abraços,
leo.
Olá Leo Monastério, desculpe demorar.... não achava o post... eu ia perguntar em outro, mas não sei o que aconteceu que caiu nesse, desculpe o erro e a demora.
Enfim, essa discussão a qual me referi na verdade foi um debate ocorrido na FIPE sobre sobre a evolução do pensamento econômico... já faz alguns anos e um dos tópicos foi essa teoria do Hayek e Mises, que foi contestada pelo Oskar Lange, minha pergunta foi justamente se essa teoria antiga do Hayek e Mises, levantada nesse debate, foi morta pelo Lange ou ainda tem respeitabilidade acadêmica...

Desculpe a demora e parabéns pelo post do Baile da Ilha Fiscal, ficou sensacional!
Abraços,
Clóvis Menezes Filho
Olá Clovis,

Obrigado pelas gentis palavras. Olha só, Lange era um baita economista, mas- até onde eu sei - Hayek ganhou fácil. Eu acho "The use of knowledge in Society" um dos melhores artigos que já li. Você não precisa ter que acreditar em todo o pacote austríaco (cheio de maluquice) para aceitar que eles ganharam essa.
Abraços,
Leo.

Postagens mais visitadas deste blog

Capitalismo de compadrio não é um problema cultural

Eu costumo dizer -  um pouco brincando- que "cultura não importa". No caso da discussão sobre o crony capitalism, no entanto, eu falo a sério: a chave está nos incentivos econômicos.
O historiador econômico Stephen Haber resume isso bem na introdução de um livro jóia sobre o assunto. A lógica é a seguinte: em termos ideais, quando há boas instituições, os empresários sabem que não serão expropriados pelo governo. Este taxa todo mundo, ganha o seu, mas não distribui privilégios. Logo, não há sentido em ser amigo do governo,  nem financiar campanhas.
Agora, quando as instituições são ruins e o poder discricionário do governo é grande, surge um dilema. Como o empresário vai investir se sabe que uma hora qualquer as regras podem mudar contra si? Sem investimento, não há o que tributar.  A solução mútua é transformar o governo em sócio de alguns empresários. Assim, cria-se um compromisso crível: o governo não vai passar a perna nas empresas de quem é "amigo" pois tem u…

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.