Pular para o conteúdo principal

Vida em outros planetas e a política industrial

Eu me lembro da equação de Drake quando penso nas chances da política de picking winners dar certo no Brasil. Tal equação fornece o número de civilizações de ETs que podem entrar em contato com a gente. (O Carl Sagan a apresenta aqui.).  A lógica é começar com o número de estrelas do Universo e então multiplicar pela fração que tem planetas, em seguida pela parcela das que tem planetas em que a vida pode surgir e assim por diante. O resultado depende de uns bons chutes, mas é um número muito pequeno.
Eu reconheço que existe a possibilidade teórica da política industrial de picking winners dar certo. Contudo, temos que multiplicar o número de empresas que - em tese - poderiam gerar benefícios para o país pelos seguintes termos:
  1. Probabilidade de o setor público ter identificado corretamente o potencial vencedor;
  2. Probabilidade de a empresa ser -de fato- a escolhida. (Muita coisa estranha pode acontecer entre o passo 1 e 2);
  3. Probabilidade de os incentivos serem bem desenhados;
  4. Probabilidade de os incentivos serem bem implementados;
  5. Tudo mais tando certo, há que se considerar a probabilidade de nenhum lobby alterar os passos 1-4 durante a execução da política industrial. 
O número de casos de sucesso será o resultado da multiplicação dessas probabilidades. Qualquer estimativa razoável resultará em um valor muito pequeno.
A possível compra da Delta pela JBS só me deixa ainda mais cético. Pelo visto, a equação de Drake Industrial deve resultar em um valor bem perto de zero.

Comentários

Lucas Reis disse…
Perfeito. Aliás, não só política industrial, mas qualquer política devia ter esse cálculo de "risco operacional" feito.

Inclusive a minha posição política é mais pro libertário não porque ache que "o mercado resolve os problemas". Acho que políticas podem melhorar muitas vezes a situação; só sou descrente que elas vão ser bem feitas, pelos motivos que você colocou aqui.
Dawran Numida disse…
Bom, seria compra da Delta, ou limpeza de mercado?
Há um filme com Samuel Jackson chamado, se não falha a memória "The Cleaner".
No caso seu personagem é especializado na limpeza de locais onde ocorreram crimes.
Gente! Quase ia perdendo estas maravilhosas ponderações. Os espíritas creem na "pluralidade dos mundos habitados"; não sei se é por isto que -tendo lido os cálculos de Dawkins- acho que, seja como for, é provável que haja outras manifestações do que chamamos "inteligência". Da mesma forma, acho que pode haver conjunção de forças que permita a escolha dos vencedores de mais méritos (com probabilidade baixíssima). No entanto, isto é, no entanto elevado à potência bilhões, meu ponto hoje em dia é que o lobby dos industriais é muito mais forte do que o dos diretores de escola, administradores de hospitais, presídios, e outros 'bens' de mérito produzidos pelos serviços.
DdAB
Felipe disse…
Coreano hoje em seminário sobre política industrial, ocorrido no BNDES:
And if, instead of winners, we pick loosers? And if we got stucked with the loosers we picked?
Dionísio disse…
Leonardo,

Extrapolando seu argumento (como faz o Rodrik), podemos aplicar uma equação parecida à gestão de educação e de saúde. E ninguém está questionando a imprescibilidade destas.

O fato de que se trata de várias sequências de escolhas que podem ser otimizados através da cópia e do aprendizado ajuda bastante a reduzir o denominador.

Postagens mais visitadas deste blog

A regra dos dois desvios

Ao que parece, a regra será a minha maior (e única) contribuição ao Saber Universal. Eu a reproduzi no verbete "Brigas, críticas e debates" do meu magnum opus "Manual de sobrevivência na universidade: da graduação ao pós-doutorado" ( Atualização 2017: O livro está fora do ar porque uma segunda edição, expandida, será publicada em breve). Aí vai:

" "Nunca brigue se o adversário estiver a mais de dois desvios padrãode você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico." Se você não sabe o que é desvio padrão, nenhum problema. Traduzindo: nunca brigue se o adversário for muito melhor ou pior do que você em qualquer dimensão: conhecimento, ideologia, inteligência ou porte físico. Se o adversário é muito mais inteligente ou conhece muito melhor o assunto, ouça-o com atenção, faça as perguntas relevantes e aprenda. Não é vergonha. Agora, se o sujeito é burro ou ignorante no assunto, o melhor é desconsiderar. Afinal, qual é a…

Colistete e o atraso educacional brasileiro

Ficou ótima a matéria da Revista Piauí com o perfil do Renato Colistete e sobre sua tese de livre-docência (pdf).
Ele é um pesquisador sensacional, gente boa e orientador de 9 entre 10 dos novos pesquisadores em histórica econômica. Já estava no tempo de ele ter reconhecimento de um público mais amplo.
Aproveite e leia o seu blog . Quando a tese estiver on-line, eu aviso.

Cuba é mais rica que o Brasil?

Um texto da internet afirma (não vou incluir o link):
"O povo daquela ilha rochosa bloqueada é mais rico que o povo do continente Brasil. Essa é uma realidade chocante e geralmente desconhecida." O autor recorre aos dados do World Bank que realmente mostram Cuba com um PIB per capita (PPP)  de US$20611 contra US$ 15893 do Brasil.
Obviamente essa estimativa está furada. É tão furada que a ONU - ao calcular o IDH- estimou outro valor que até os órgãos oficiais de Cuba acharam mais razoável:
The 2013 HDI value published in the 2014 Human Development Report was based on miscalculated GNI per capita in 2011 PPP dollars, as published in the World Bank (2014). A more realistic value, based on the model developed by HDRO and verified and accepted by Cuba’s National Statistics Office, is $7,222. The corresponding 2013 HDI value is 0.759 and the rank is 69th. A mesma fonte coloca o Brasil como tendo renda per capita de US$ 15175. Ou seja, Cuba tem a metade da renda per capita brasilei…